Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

13/06/2010 - paraiba.com.br Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia investiga falsificação de documento da Sudema no Litoral Sul da PB

Por: Paulo Cosme


A apreensão de um caminhão de madeira e a prisão de duas pessoas pode levar a polícia a descobrir uma fraude que vem sendo aplicada há vários dias contra a Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema). A suspeita é de que o documento que autoriza o corte de alguns tipos de árvores está sendo falsificado por donos de madeireiras e de padarias que atuam na região do Litoral Sul do Estado da Paraíba e até mesmo em cidades do vizinho Estado de Pernambuco. Devido à época, a suspeita também é de que os troncos seriam vendidos serem queimados durante a fogueira de São João.

As suspeitas aumentaram ainda mais na última quinta-feira (10) quando um caminhão de madeira foi apreendido pelo cabo Marcos, lotado na Companhia de Polícia Militar. O militar disse que vinha pela BR-101 na viatura com destino a companhia quando avistou um caminhão carregado e coberto com uma lona. Ele desconfiou da carga e resolveu parar o caminhão e aí percebeu que o mesmo estava carregado de troncos de madeira.

O cabo Marcos pediu a autorização da carga, mas o motorista apresentou um documento suspeito e quando o policial desconfiou que a autorização era falsa o motorista ainda tentou suborná-lo oferecendo dinheiro, mas o policial não aceitou e deu voz prisão ao motorista e ao ajudante. Marcos solicitou reforço e o caminhão juntamente com os dois homens foram levados para o posto fiscal do Estado.

Fiscais da Sudema estiveram no local e comprovaram que o documento de autorização foi falsificado. O motorista José Inácio de Oliveira Neto, 25 anos e o ajudante Valdemir Gonçalves da Silva, 31 anos, foram levados para a Delegacia de Alhandra e autuados em flagrante por crime ambiental e corrupção ativa.

O caminhão estava carregado de vários tipos de madeira que foram retirados de áreas de proteção ambiental. De acordo com a polícia os troncos de árvores possivelmente iriam ser vendidos a donos de madeireiras e de padarias. Os fiscais da Sudema contaram a polícia que o órgão já suspeitava que esse tipo de fraude vinha acontecendo e que o caso já estava sendo investigado.

Fogueiras - Equipes da Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) e da Polícia Militar Ambiental estão intensificando durante este mês de junho a fiscalização sobre o comércio de lenha para fogueiras em João Pessoa. O objetivo é verificar a procedência do material e combater a exploração irregular das reservas ambientais.

De acordo com a Sudema quem for flagrado comercializando madeira proibida, terá a carga apreendida e poderá até ser preso. O órgão esclarece que são permitidas para comercialização apenas as podas de árvores coletadas após caírem em meio à mata. “Com o apoio da Polícia Florestal a Sudema irá visitar os pontos de venda de fogueira para verificar a origem da lenha. O material irregular que for encontrado será apreendido e usado na padaria-escola do Governo do Estado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 205 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal