Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

04/05/2007 - Gazeta Mercantil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Alto escalão comete 50% das fraudes contra empresas

Por: Wallace Nunes


São Paulo, 4 de Maio de 2007 - Estudo da KPMG revela o perfil do profissional que comete atos ilícitos em benefício próprio. Eles têm entre 36 e 55 anos, possuem diplomas universitários, cursos de especialização e comandam jogadas empresariais de alto risco. Preferem trabalhar sozinhos mas, quando atuam em parceria, multiplicam ganhos em quase sete vezes. Esse é o perfil dos executivos fraudadores de empresas, segundo conclusão da KPMG Consulting , que ontem divulgou um estudo internacional sobre o "Perfil do Fraudador 2007". De acordo como estudo, 49% das fraudes são cometidas por executivos do alto escalão.
O estudo teve como base a análise de 360 casos atuais de investigação de fraudes realizados pelo departamento internacional de forensic da KPMG da Europa, Oriente Médio, África e Índia. Ainda de acordo com a sondagem, há golpes como maquiagem de resultados, desvio de recursos e pagamento de propinas variam entre € 5 mil e €500 milhões por ano. A pesquisa relata que em 50% dos casos ocorridos as empresas não comunicam internamente a fraude e 15% selecionam algumas informações para dividir com os colaboradores. Após a descoberta da fraude, a mídia e as autoridades responsáveis raramente são informadas e, com isso, dificilmente os delitos são submetidos a investigações criminais. "Os crimes cometidos por membros do alto escalão das empresas sempre afetam a saúde financeira e também a imagem e reputação da companhia. Isso acontece porque esses executivos assumem maior responsabilidade pois têm mais liberdade e poder", comenta o diretor da KPMG Werner Scharrer.
Ao comparar o perfil dos executivos fraudadores dos países citados na pesquisa com os do Brasil, Scharrer destaca que existe casos similares, mas ressalta que a grande maioria dos executivos brasileiros estão pensando mais em se manter na posição em que estão do que cometerem fraudes internas. "A questão da remuneração, onde o executivo ganha bônus por conta do resultado obtido é uma forma segura de não fazê-lo pensar em cometer fraudes corporativas", explica o diretor da KPMG.
Scharrer diz ainda que grande parte das fraudes ocorridas nas empresas estabelecidas no Brasil estão relacionadas a negociação com fornecedores. "A ética é uma questão que nem todo ser humano tem em qualquer lugar do mundo. Sobretudo, se forem encontradas facilidades de negociações internas ou externas. Nesses casos o crescimento profissional é deixado de lado para prevalecer a ganância", completa.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 423 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal