Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/05/2010 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Grupo falsificava licenciamento e planos de manejo

Integrantes usavam imagens de satélite de outras propriedades ou fotos antigas, simulando a existência de floresta.

A suposta quadrilha "esquentava" madeira ilegal extraída de Mato Grosso (MT) falsificando licenciamentos e planos de manejo florestal para áreas devastadas. Para isso, seus integrantes usavam imagens de satélite de outras propriedades ou fotografias antigas, simulando a existência de floresta em pé.

Dessa forma, com base em informações falsas, a quadrilha conseguia créditos ambientais - o passe livre para legalizar a madeira que era retirada ilegalmente de cerca de 100 áreas indígenas e 20 unidades de conservação ambiental.

Os laudos falsos seriam feitos por engenheiros florestais. Servidores presos são acusados de fazer vista grossa aos documentos irregulares e liberar os créditos em uma velocidade acima do normal. Geralmente, o processo de concessão demora cerca de um ano, mas, nos casos analisados, era preciso esperar entre 30 e 60 dias para a obtenção da licença.

Áreas afetadas. Entre as regiões prejudicadas pela extração ilegal de madeira estão o Parque Indígena do Xingu, o Complexo dos Cintas Largas e a área Indígena Caiabi. De acordo com a Polícia Federal, não há indícios de envolvimento de índios na quadrilha mato-grossense.

As investigações começaram a partir de informações obtidas em outras duas operações da PF que também envolviam a extração de madeira ilegal: Caiabi, de 2006, e Mapinguari, de 2007. Depois dessas operações, 65 áreas desmatadas passaram a ser periciadas para que a diferença entre o que constava nos laudos e a realidade fosse comprovada.

Segundo a polícia, o grupo atuava há pelo menos dois anos na região. Durante esse período, a quadrilha extraiu cerca de R$ 900 milhões em madeira ilegal - o que equivale a 1,7 milhão de metros cúbicos de madeira.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 182 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal