Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS



Promoção BLACK WEEK. Até o dia 02/12 valor promocional para o Treinamento sobre Fraudes Crédito e Comércio ! CLIQUE AQUI.


Acompanhe nosso Twitter

20/05/2010 - O Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MP Militar investiga patrimônio de oficiais suspeitos de fraude no IME

Por: Carla Rocha e Vera Araújo


RIO - Os bens em nome de militares suspeitos de envolvimento em fraudes no Instituto Militar de Engenharia - ou de pessoas ligadas a eles - começam a ser rastreados pelo Ministério Público Militar. Os procuradores que investigam a suposta formação de um cartel de empresas, em nome de laranjas ou parentes de oficiais da renomada instituição de ensino, querem saber se os investigados têm patrimônio superior a seus rendimentos ou eventuais heranças familiares. No inquérito que investiga o caso, há informações sobre a compra de diversos imóveis pelo grupo nos últimos anos, na Barra da Tijuca, em Botafogo e na Urca, bairro preferido dos militares.

As pessoas cujos imóveis serão investigados são militares do IME e parentes deles ou pessoas de sua relação que figuram como sócias em empresas que receberam por consultorias técnicas prestadas ao instituto, em especial entre 2004 e 2006. O grupo, conforme O GLOBO revelou no último dia 9, teria ganhado licitações que totalizaram cerca de R$ 15,3 milhões. Há indícios de que essas licitações teriam sido direcionadas.

Major vendeu mansão na Barra para cunhado

Como suspeita-se de que há tentativa de encobrir patrimônio, o MP militar levará em conta, além de documentos e informações da Receita Federal, levantamentos feitos em alguns endereços onde os investigados moram. Um deles é o de uma mansão, avaliada hoje em mais de R$ 3 milhões, no Condomínio Jardim Marapendi, na Barra da Tijuca. A negociação da casa, que tem cinco suítes e 600 metros quadrados, está registrada no 9 Ofício de Registro de Imóveis, onde há uma promessa de compra e venda em nome Édson Lousa Filho, cunhado do major do Exército Washington Luiz de Paula, um dos principais suspeitos, que foi lotado no IME na época dos fatos.

Édson assinou a promessa de venda em 12 de setembro de 2006, mas só foi registrada em 3 de agosto de 2009. Casado com a irmã da mulher de Washington, ele é sócio das empresas Deligon/Antoned, Benchtop, GNBR e Leadman, Digmar/New Works/Work & Service. A GNBR é a firma que mais recebeu recursos do IME, num total de R$ 3,3 milhões, de 2004 a 2008, de acordo com o Portal da Transparência do Governo Federal. A empresa deu consultoria ao instituto para melhorias em rodovias brasileiras. Entre os sócios, está ainda Alfredo Balbino, que afirmou ao jornal ter sido usado como laranja. Localizado na terça-feira passada, Édson disse que não usa laranjas, mas admitiu não lembrar de Balbino, alegando ser dono de muitas empresas. Também não quis comentar as denúncias.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 197 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal