Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

19/05/2010 - Direito do Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

STF mantém prisão preventiva de taxista acusado de fraudar a CEF em R$ 5 milhões


Os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) mantiveram a prisão preventiva do motorista profissional de táxi J.C.G.M., acusado de fraudar a Caixa Econômica Federal (CEF) em cerca de R$ 5 milhões por deixar de recolher à instituição financeira dinheiro arrecadado em uma casa lotérica no Rio de Janeiro. A decisão foi tomada na tarde desta terça-feira (18), no julgamento do Recurso Ordinário em Habeas Corpus (RHC) 102963, ajuizado na Corte pelo advogado do taxista.

De acordo com os autos, o crime era praticado por J.C. e outros acusados, que abriam a lotérica no fim de semana, arrecadavam os valores das apostas em jogos, mas não repassavam essas quantias à CEF. E, ainda, usariam terceiros para resgatar prêmios, e com isso desviar a atenção dos acusados.

O advogado do taxista disse que, após cumprir integralmente prisão provisória e ser liberado, seu cliente foi surpreendido com a decisão da juíza da 6ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, que decretou sua prisão preventiva.

No recurso, o advogado alegava que o decreto de prisão preventiva contra o motorista de táxi não estaria devidamente fundamentado. Além disso, sustentava que seu cliente seria primário, com bons antecedentes, residência e emprego fixos, e teria colaborado com a autoridade policial quando teve sua prisão provisória decretada.

Por fim, o defensor alegava que o decreto de prisão parecia estar calcado em mera presunção de periculosidade, sustentando que, em liberdade, J.C. poderia ameaçar a ordem pública.

Foragido

Citando o parecer do Ministério Público, o ministro Dias Toffoli, relator do processo, revelou que, embora não mencionado pelo advogado de defesa, o taxista estaria foragido desde que foi solto e teve sua prisão preventiva decretada pela Justiça Federal no Rio de Janeiro. Além disso, o ministro lembrou que além do crime de estelionato, por estes mesmos fatos J.C. também responde a processo por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Ao votar pelo indeferimento do pedido, o relator disse entender que o decreto de prisão preventiva estaria devidamente fundamentado, atendendo aos pré-requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal - dispositivo que prevê sob quais circunstância pode ser decretada a custódia cautelar. O relator foi acompanhado pela ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha e pelo ministro Ricardo Lewandowski.

Instrução

O ministro Marco Aurélio votou pelo provimento do recurso. Para o ministro, não há como manter o decreto de prisão preventiva, que segundo ele não atenderia o artigo 312 do Código de Processo Penal. O ministro frisou que não há referência, no decreto, a eventual tentativa de tumultuar a instrução ou obstaculizar a instrução penal.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 220 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal