Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/05/2010 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Roberto Wider é acusado de mandar e-mails falsos a desembargadores

A fraude seria para atrapalhar o repórter Chico Otávio, do jornal ‘O Globo’ e, ao mesmo tempo, tentar formar um dossiê contra Luiz Zveiter, presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Luiz Zveiter, vai encaminhar para o Superior Tribunal de Justiça cópia de um inquérito que investiga o envio de e-mails falsos para desembargadores do estado em nome de um repórter do jornal ‘O Globo’.

O técnico em informática Thiago da Silva, que presta serviços para o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, confessou a fraude em depoimento à Polícia Civil.

Ele contou que no fim do ano passado foi chamado pelo desembargador Roberto Wider Filho para atrapalhar o repórter Chico Otávio, do jornal ‘O Globo’ e, ao mesmo tempo, tentar formar um dossiê contra Luiz Zveiter, presidente do tribunal.

O jornalista é o autor de reportagens que mostraram as ligações de Wider com o lobista Eduardo Rachkovski, acusado de intermediar a venda de sentenças judiciais. Wider acabou se afastando do cargo de corregedor em função das reportagens.

Thiago da Silva disse que criou uma conta falsa de e-mail em nome de Chico Otávio e ajudou Roberto Wider a enviar e-mails aos desembargadores, fingindo estar colhendo informações contra Zveiter.

Wider nega as acusações e disse que o técnico Thiago da Silva foi coagido a confessar o crime.

“Posso dizer apenas que eu estou profundamente indignado e revoltado contra a maneira como isso foi feito, porque o conteúdo é absolutamente inverídico. Não há um mínimo de verdade nesses depoimentos. Eu sou juiz há 38 anos que sou magistrado. Eu não posso admitir de uma mentira tão indigna que tentem macular o meu nome”, declarou Wider.

O inquérito agora será encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça, que tem a prerrogativa de investigar desembargadores. Uma cópia ficará no Órgão Especial do Tribunal de Justiça, que pode tomar medidas disciplinares se comprovar o envolvimento de Roberto Wider na fraude.

O presidente do Tribunal de Justiça, Luís Zveiter, disse que o momento é de serenidade e que, agora, deve-se aguardar a decisão da Justiça.

“O brilhante trabalho realizado pela polícia do Rio de Janeiro deu dois alertas: aqueles que tentarem, por meio de prática criminosa, atacar ou desacreditar jornalistas terão sempre a sua autoria descoberta e aqueles também que tentarem, como tentaram, denegrir a minha honra, ou de qualquer outra pessoa, da mesma forma, a polícia irá apurar a autoria”, afirmou.

A delegada Helen Sardenberg disse que gravou o depoimento do técnico Thiago da Silva e pode provar que não houve coação. O repórter Chico Otávio lamentou a tentativa de desqualificar o trabalho dele como jornalista e disse que confia na polícia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 207 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal