Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS



Promoção BLACK WEEK. Até o dia 02/12 valor promocional para o Treinamento sobre Fraudes Crédito e Comércio ! CLIQUE AQUI.


Acompanhe nosso Twitter

28/04/2010 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia investiga médico acusado de assinar falso atestado de óbito

Delegado vai apurar se médico participou de outros golpes no país. Americano que forjou própria morte deu golpe de mais de R$ 100 milhões.

O delegado Robson da Costa Ferreira, responsável pela Delegacia de Defraudações vai investigar se o médico Paulo Alves Viana, acusado de assinar um falso atestado de óbito do americano Osama El Atari e de praticar golpes bancários milionários, participou de outras ações ilícitas no Brasil.

O médico foi preso com dois agentes funerários envolvidos no esquema da fraude. O trio usou documentos da funerária Rio Pax, que já é investigada pelo golpe da falsa morte do traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o "Nem" da Rocinha, segundo o delegado de Defraudações.

O americano Osama El Atari forjou sua própria morte em uma funerária no Rio. Ele é suspeito de conseguir empréstimos bancários equivalentes a R$ 100 milhões com documentos falsos. A prisão do criminoso, nos Estados Unidos, aconteceu um mês depois da justiça americana ter descoberto a farsa. O Consulado americano no Rio acionou a Polícia Civil e alertou sobre o crime.

“A gente agora vai passar a investigar o médico. Ele tem que ter um livro de óbito fiscalizado pela Secretaria municipal de Saúde. A partir de agora o livro está apreendido e cada morte dele vai ser minunciosamente investigada”, disse o delegado Robson da Costa.

A produção do RJTV procurou a funerária Rio Pax, mas ninguém estava autorizado a falar sobre o caso. O delegado Robson da Costa Ferreira disse que ouviu o dono da funerária, que alegou ser vítima de pessoas que usam documentos da funerária indevidamente. Mesmo assim, a empresa será investigada.

Um médico e dois agentes funerários ligados à Rio Pax estiveram detidos, prestaram depoimento e estão sendo monitorados pelos investigadores. Procurada pelo G1, a Rio Pax não se pronunciou.

No caso ocorrido nos Estados Unidos, o americano de origem árabe levava vida de milionário depois de tomar empréstimos fraudulentos em vários bancos. Chegou a ter no bolso o equivalente a R$ 100 milhões. Para não pagar as dívidas, veio ao Brasil e comprou uma certidão de óbito para se fingir de morto. Acabou preso na cidade.

Americano responde por estelionato

Segundo o delegado da Defraudações, Robson da Costa Ferreira da Silva, o americano Osama via responder por estelionato aqui no Brasil. “Como ele é cidadão americano, não pode ser extraditado, vai cumprir a pena no Texas, EUA, onde já está preso. A pena de 15 anos por estelionato vai ser somada a que for determinada pela justiça de lá”, explicou o delegado.

A delegacia de Defraudações (DDEF) está investigando o médico e os três agentes funerários que prestavam serviço para a Rio Pax. “Estamos focando nos agentes funerários, mas queremos chegar ao elo do americano com o Brasil. Esta pessoa é o grande estelionatário e o provável chefe da quadrilha”, afirmou o delegado Robson Ferreira.

Médico e agentes são investigados

Ainda de acordo com o delegado Ferreira da Silva, o óbito do americano foi atestado pelo médico Paulo Alves Viana, que recebeu o serviço repassado pelo agente funerário Cláudio Antônio Sobral de Abreu. “Este, por sua vez, alegou à polícia que o responsável pela falsificação seria o agente funerário Liesse Gonçalves Chaves. Já Liesse acusa um terceiro agente, Luiz Rodrigues de Oliveira, o Luiz Maluco, de ter passado o serviço para ele”, explicou.

Luiz Maluco trabalharia no Hospital Estadual Albert Schweitzer, mas, segundo o delegado, ele já morreu ou forjou a própria morte.O médico e os dois primeiros agentes funerários estavam presos temporariamente, mas foram soltos no sábado (24). O delegado informou que ao término da investigação, a polícia vai pedir a prisão preventiva dos três.

Robson Ferreira da Silva lembrou que a Rio Pax está envolvida em diversos crimes. “Uma operação da Delegacia Fazendária apreendeu provas de sonegação de imposto na empresa. A Corregedoria da Polícia Civil investiga um outro falso óbito, o de Garibalde Guimarães Nunes de Moraes”.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 283 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal