Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

27/04/2010 - Mídia News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

TRF nega pedido de liminar para três acusados de fraudes

Por: Bruno Garcia

Continuam presos Renata Guimarães, Ronilton Carlos e Luciano de Carvalho.

Duas decisões do Tribunal de Regional Federal (TRF), da 1ª Região, em Brasília, mantiveram na prisão três acusados de integrar um esquema de fraudes e corrupção envolvendo a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Oscips, prefeituras e empresas em Mato Grosso. A prisões ocorreram no último dia 7 e apontou fraudes no montante de R$ 51 milhões.

Tiveram negados os pedidos de Hábeas Corpus e continuarão na cadeia: Renata Guimarães Bueno, diretora financeira da Oscip Idheas e servidora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Ronilton Souza Carlos e Luciano de Carvalho Mesquita, diretor e presidente da Oscip Instituto Creatio, respectivamente.

O pedido de Renata Guimarães, impetrado pelo advogado Gilberto Maltz Scheir, foi negado pelo desembargador federal Ítalo Fioravanti Sabo Mendes. "Não se constata, ao menos por enquanto, fundamento jurídico capaz de ensejar a imediata colocação da paciente em liberdade", justificou o desembargador.

Ítalo Fioravanti acatou um dos pedidos da defesa de Renata Guimarães, para que ela seja transferida da unidade prisional que se encontra, uma vez que ela possui nível superior e é funcionária pública. O desembargador ordenou que ela seja transferia para uma quartel ou presídio especial.

O segundo pedido foi feito pelo advogado Antônio Teixeira Nogueira Neto, acerca da liberdade de Ronilton e Luciano, que foi negado pelo desembargador Olindo Herculano de Menezes, presidente do TRF-1, que estava em exercício de plantão.

Menezes ainda suspeitou que o advogado de Ronilton e Luciano estariam sugerindo "manobra processual indevida, ainda que para um fim lícito (obter a liberdade), tendo-se em conta já serem conhecedores de entendimento do plantonista, o que, não deve ser admitido".

O desembargador remeteu o pedido de liminar para o relator natural.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 265 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal