Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

19/04/2010 - Portal UAI Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Família nega envolvimento de empresário decapitado com fraudes

Por: Thiago Ventura


Uma família em estado de choque e sem acreditar nos acontecimentos. É como define a situação em que vive seus familiares a irmã de um dos empresários decapitados no Bairro Sion, na Região Centro-Sul de BH. A jornalista Mary Rodrigues, irmã do empresário Rayder Rodrigues, enviou uma carta aos Diários Associados nesta segunda-feira.

A posição da família da vítima é que o empresário é inocente das acusações de fazer parte da quadrilha e que estaria envolvido em um esquema de lavagem de dinheiro.

"Todos que o conheciam têm absoluta certeza de que ele, pelo coração que tinha, pela criação que teve e pela sua conduta com as outras pessoas, caiu numa cilada brutal e que ele jamais imaginava estar se envolvendo com pessoas tão perigosas e cruéis", afirma Mary.

A jornalista conta que a vítima era pai de três filhos e que trabalhava na área em que havia formado. Além disso, a família conhecia pouco o brasileiro naturalizado americano, sogro de Rayder, supostamente envolvido com a quadrilha e que atraiu o empresário para o apartamento onde foi torturado e executado.

"A preocupação de todos agora é que ninguém fique impune e que não desviem o foco deste crime bárbaro, porque não há dúvidas que este crime foi premeditado e que estes assassinos são de alto grau de periculosidade para toda a sociedade", desabafa.

Contradição

A carta de Mary Rodrigues contraria a posição da família do outro empresário assassinado, Fabiano Moura. Durante a missa de sétimo dia da vítima, o irmão de Fabiano, o policial federal Alexandre Moura, assumiu que ele estaria envolvido em um esquema de fraude.

Segundo o policial, as duas vítimas atuaram como laranjas, dando os nomes para empresas de fantasia. No entanto, os "cabeças" da quadrilha eram policiais que praticavam extorsão e outros crimes.

Leia a íntegra da carta da irmã de Rayder:

Um crime bárbaro e macabro comandado por pessoas do mais alto grau de periculosidade para a sociedade. Amigos, vizinhos e familiares do Rayder Rodrigues estão desolados com o fato. A preocupação agora é que não desviem o foco principal das investigações para tentar justificar este crime bárbaro. Rayder e o outro companheiro foram seqüestrados, torturados e assassinados brutalmente. Rayder era uma pessoa simples, amável, prestativa, trabalhadora, incapaz de fazer mal a qualquer ser humano. Ele trabalhou por mais de 20 anos com empresa de informática da qual tinha formação e era o seu negócio. Todos do meio o conhecem e sabem que ele sempre trabalhava muito para tentar manter os compromissos em dia. Também fez alguns trabalhos como repórter fotográfico para um dos grandes jornais de Minas Gerais. Ele teve uma vida simples e vivia sempre "correndo atrás" para cumprir com seus compromissos. O Rayder vivia de aluguel e não movimentava altíssimas contas como estão querendo mostrar. Ninguém faz lavagem de dinheiro com R$ 80.000,00. Estão querendo desviar os fatos. Ele não possuía bens em seu nome e de mais ninguém. Todos na família são trabalhadores, honestos e estão lutando para sobreviver e tentar manter os compromissos em dia. Rayder era pai de três filhos: um menino de sete, uma menina de quatro e um bebê de sete meses. Apesar de separado da mãe de seus filhos, ele era sempre presente. Era um pai super carinhoso e nunca deixou de assisti-los. Todos os dias interrompia o trabalho para levá-los e buscá-los nas escola. O conhecimento que se tem é que a outra vítima não era sócia do Rayder e sim um contato de trabalho.

Há pouco mais de um ano quando se separou, Rayder apresentou a namorada Larissa Grigorcea para a sua família, pai e irmãos.

Segundo Larissa, em uma das conversas informais com pessoas da família, o pai era norte-americano, separado há vários anos da mãe e trabalhava como produtor de teatro em Nova York.

Em fevereiro deste ano a família do Rayder ficou sabendo que Larissa faria uma viagem para os Estados Unidos onde ficaria por três meses para fazer um trabalho temporário. Larissa disse a alguns familiares mais próximos do Rayder que a viagem serviria para, além de trabalhar em uma escola infantil e ganhar um bom dinheiro (cerca de 20.000,00 reais no período), rever familiares e exercitar a língua. Rayder sempre a ajudou em tudo que precisava, ele mesmo foi quem a levou para regularizar o passaporte.

Mediante as descobertas do envolvimento do sogro com o caso, a família também ficou surpresa e indignada. Todos sabiam que ele estava hospedado na casa do Rayder há cerca de dois meses, mas ninguém chegou a conhecê-lo. Várias vezes ele chegou a atender ao telefone. Por saber que Larissa viajaria agora para os Estados Unidos, todos acreditavam que ele chegara recentemente no país para visitar familiares e buscá-la para a viagem.

A notícia da violenta morte de Rayder e do outro rapaz assassinado deixou todos muito abalados e indignados. A família ainda está em estado de choque e sem acreditar no ocorrido. "Ainda não caiu a ficha. Todos nós éramos muito unidos, temos formação católica, mas em nossa família há pessoas espíritas e protestantes, isto nunca nos dividiu, pois somos unidos pela amizade, respeito e amor verdadeiro. O Rayder era o querido da família sempre muito amoroso e prestativo, nunca houve qualquer atrito dele com ninguém da família, pelo contrário ele sempre foi da paz". Todos que o conheciam têm absoluta certeza de que ele, pelo coração que tinha, pela criação que teve e pela sua conduta com as outras pessoas, caiu numa cilada brutal e que ele jamais imaginava estar se envolvendo com pessoas tão perigosas e cruéis.

A preocupação de todos agora é que ninguém fique impune e que não desviem o foco deste crime bárbaro, porque não há dúvidas que este crime foi premeditado e que estes assassinos são de alto grau de periculosidade para toda a sociedade.


Mary Rodrigues
Jornalista e irmã

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 617 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal