Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/04/2010 - O Dia Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraude põe ‘operados’ em alerta

Por: Anna Luiza Guimarães e Vania Cunha

Pacientes de médicos indiciados por esquema no Salgado Filho afirmam terem sido vítimas da cirurgia fantasma.

Rio - A denúncia de que cirurgiões do Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, e empresários participavam de esquema para justificar a compra de materiais para operações fantasmas chocou a desempregada L., 32 anos, ex-paciente da equipe de neurocirurgiões indiciados. “Nunca podia imaginar uma coisa dessas de quem salvou minha vida!”, desabafou. A fraude veio à tona quinta-feira, em operação da Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Saúde Pública.

A Extencion recebeu R$ 6 milhões em contratos com a prefeitura para compra de insumos, além de R$ 120 milhões da União. Também foram indiciados Jorge Figueiredo Novaes, dono da empresa, e os funcionários Antônio de Bria e Fernanda Simões da Silva. A filha de Jorge, Juliana, será investigada.

No prontuário de L., há anotações de médicos de que ela teve oclusão espontânea, ou seja, o aneurisma regrediu sozinho. Mas seu nome foi incluído em notas fiscais para a compra de 12 espirais e outros materiais para a realização de operação que nunca aconteceu. “Fiquei assustada com as denúncias. Fiquei 18 dias internada e o aneurisma saiu sozinho. Mas eu não passei por nenhuma cirurgia. Ainda estou chocada. Esses médicos salvaram a minha vida”, afirmou L., que se tratava desde 2008.

Outra paciente, R., depôs e revelou ter sido vítima da fraude. Segundo a polícia, um comunicado de uso de materiais especiais em nome da moça foi enviado à Secretaria Municipal de Saúde, assinado pelo chefe do setor de Neurocirurgia do hospital, Carlos Henrique Ribeiro. Também há notas fiscais da compra de insumos para a cirurgia dela, em 2007, no valor de R$ 30.177. Mas a moça passou apenas por arteriografia, procedimento para monitorar o aneurisma.

“A ressonância aponta que nenhum dispositivo foi implantado na cabeça da vítima”, explicou o delegado Fábio Cardoso. “Se, um dia, tivesse sangramento e procurasse o hospital, iria morrer, já que no prontuário constava que já havia feito a cirurgia”, disse ela ao policial.

Desvio pode ocorrer em outros hospitais públicos

Rio - As investigações agora apontam para o envolvimento de médicos de outros hospitais no esquema, além de fraude na compra de equipamentos ortopédicos. A polícia já verificou licitação de R$ 43 milhões com Hospital do Exército e vai encaminhar o material para a Polícia Federal.

“Jorge se apresentava como representante de próteses ortopédicas. Se pensarmos que, dos R$ 120 milhões recebidos, de 15% a 25% eram divididos entre os médicos, cerca de R$ 25 milhões deixaram de ser investidos na saúde pública”, calculou o delegado, ressaltando que não havia controle das notas de compras. Nas casas dos médicos, foram apreendidos documentos, computadores e equivalente a R$ 78.200 e 2.890 euros (R$ 6.850) em espécie.

Terça-feira, os cinco acusados serão ouvidos pela polícia, que também chamará pacientes para depor. “Vamos ouvir a Juliana, filha do empresário. Ela recebeu dele R$ 2 milhões e comprou apartamento de luxo em seu nome, na Barra”, afirmou o delegado. Segundo ele, Juliana é sócia de Fernanda na empresa Medical Weck.

No telefone

Em escutas autorizadas pela Justiça, Antônio Bria pede a Fernanda etiquetas para comprovar o uso das espirais. Em outro trecho, ela pede a médico para convencer colega a entrar na fraude.

BRIA:Tá um fuzuê no hospital. Agora, vai ter que comprovar o que foi usado.
FERNANDA: Entendi. A partir de hoje?
BRIA: É. Se você também puder guardar etiquetas de outros pacientes...
FERNANDA: Tenho algumas aqui de outros hospitais, se precisar montar alguma coisa de 2009.
BRIA: Vai armazenando que a gente vai usar muito.
FERNANDA: Tá tranquilo. Tenho um saco cheio ainda.

FERNANDA: É a guinada para você comprar um outro aparelho de vídeo. É nesse nível, entendeu? À vista.
MÉDICO: Vou falar com ele. Apesar de que ele não gosta disso, mas eu vou conversar com ele.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 229 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal