Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

17/04/2010 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Estatal decide demitir diretor envolvido em fraude em ferrovia

Por: Leonardo Souza


A estatal Valec decidiu demitir um apadrinhado do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), acusado de participar de um esquema de fraude e desvio de dinheiro público numa das principais obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), a ferrovia Norte-Sul.

Diretor de Engenharia da empresa, Ulisses Assad havia sido afastado temporariamente do cargo em 2009, após seu nome ter vindo a público como um dos principais investigados pela Polícia Federal na Operação Faktor (ex-Boi Barrica).

No mês passado, o Conselho de Administração da Valec, com base num trabalho realizado pela Controladoria-Geral da União, concluiu que ele deveria ser exonerado.

Segundo a Folha apurou, a decisão foi comunicada a Assad antes de ser oficializada. Mas ficou acertado que sua exoneração vai constar como a pedido dele mesmo.

Sua demissão será ratificada no dia 28 deste mês. Assad havia sido indicado para o cargo na estatal por José Sarney.

As fraudes e os desvios na Norte-Sul apontados por Polícia Federal, Tribunal de Contas da União e CGU envolvem ainda o filho mais velho do presidente do Senado, o empresário Fernando Sarney. Conforme a Folha publicou anteontem, Fernando ajudou a montar um "consórcio paralelo" de empreiteiras que fraudou uma das licitações da Valec sob a responsabilidade de Assad.

Fernando Sarney tem se recusado a comentar o assunto, alegando se tratar de vazamento ilegal de informação sigilosa. A Folha não conseguiu entrar em contato com Assad.

Esse grupo de empresas é acusado pelo TCU de ter superfaturado a obra do trecho da ferrovia entre os municípios goianos de Santa Isabel e Uruaçu em R$ 63,3 milhões. Já para os peritos da PF o sobrepreço chegou a R$ 59 milhões.

A Folha publicou nas últimas semanas uma série de reportagens sobre como empreiteiras em todo o país formam "consórcios paralelos" para driblar licitações e repartir contratos públicos "por fora".

"Trata-se de uma questão muito grave para o poder público, utilizada para burlar a concorrência. Isso atinge o coração da lógica do mercado, que seria a verdadeira competição", afirmou à reportagem o ministro-chefe da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 205 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal