Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

11/03/2010 - O Dia Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Homens presos por dopar vítimas para roubar seus pertences

Por: Ricardo Albuquerque


Rio - Agentes da 15ª DP (Gávea) evitaram, na madrugada de quarta-feira, que dois homens aplicassem o golpe “Boa Noite, Cinderela” em um funcionário do Ministério Público Federal, dentro de um bar, na Avenida Erasmo Braga, no Centro. Quando os policiais surpreenderam os suspeitos Cláudio Luís Cristo Ferreira, 40 anos, e Rogério Soares Schmidt, 37, a vítima já estava sob efeito de um comprimido colocado no recheio do pastel. O servidor público seria a terceira vítima consecutiva do roubo nos últimos três meses. Na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat), dez casos semelhantes foram registrados nos últimos seis meses.

As investigações começaram em dezembro, quando um guia de turismo foi assaltado no seu apartamento, na Lagoa, após marcar encontro em uma boate de Copacabana. O rastreamento de ligações telefõnicas do celular roubado da vítima e imagens do circuito interno de TV contribuíram para o sucesso do flagrante. As imagens da câmera do elevador mostram a vítima já dopada, levando os criminosos até seu apartamento sem esboçar reação. Duas horas depois, os suspeitos reaparecem carregando bolsas. Um deles aparece vestindo uma outra camisa, o que ajudou na identificação. Do apartamento foram levados TV de plasma, computador e dinheiro.

“O Cristo estabelecia uma relação de confiança com a vítima, após um encontro aparentemente fortuito, casual, em algum lugar. Além de usar nomes falsos, eles estudavam o comportamento dos alvos, sabiam de antemão que se tratavam de homossexuais, por isso tanto sucesso na ação, até porque aplicavam medicação para levar a vítima ao sono”, explicou a delegada Bárbara Lomba, titular da 15ª DP (Gávea). Em janeiro, um médico e morador da Gávea foi vítima do mesmo golpe, num bar do Baixo Gávea.

“Ele foi amarrado pelos assaltantes dentro de casa, mas conseguiu se livrar e chegou aqui na DP de madrugada, ainda tonto, falando coisa com coisa, até que, após vomitar, o efeito foi passando. Essa vítima ajudou muito a chegarmos aos suspeitos”, explicou Alexandre Estelita, comissário-chefe de operações da 15ª DP. As investigações indicam que o golpe é aplicado em pessoas que saem em busca de encontros amorosos. Nas boates, os suspeitos oferecem a bebida já misturada ao medicamento. Nas duas ações, os criminosos roubaram cerca de R$ 20 mil em notas de dólar, euro e real, jóias, relógios e aparelhos eletrônicos. Claudio Cristo disse aos policiais que é comerciante, dono de um bar em Santa Cruz da Serra, em Duque de Caxias. Os detidos vão responder por roubo qualificado, com pena máxima de 10 anos de reclusão. A polícia suspeita que um terceiro homem participou do roubo ao médico na Gávea. "Temos certeza que não agiam sozinhos, por isso estamos no encalço do outro comparsa", explicou a delegada.

Como evitar o Boa Noite, Cinderela

1) Manter a vigilância em abordagens casuais
2) Jamais trocar copos de chope no bar
3) Não pedir nem aceitar tira-gostos durante a conversa
4) Nunca levar para casa quem se conhece há pouco tempo
fonte: delegada Bárbara Lomba, titular da 15ª DP (Gávea)

Como é o golpe

O golpe ‘Boa noite, Cinderela” é conhecido no exterior como “rape drugs” (drogas de estupro), porque o criminoso mistura comprimidos ou gotas de drogas à comida ou bebida da vítima, deixando-a vulnerável o suficiente para ser roubada ou violentada. O assaltante ou estuprador, segundo os policiais, é de boa aparência, educado e simpático.

As drogas mais usadas no golpe os depressores do sistema nervoso central, como Lorax, Lexotan, GHB (ácido gama-hidroxibutírico), Ketamina (Special K), Rohypnol (Flunitrazepam) e pré-anestésicos como o Dormonid. Os medicamentos podem causar intoxicação ou morte por desidratação, segundo a médica Anne Santana, do Hospital Estadual Getulio Vargas. “Como se dissolvem facilmente e são incolores e inodoras, é difícil identificar um copo que recebeu as doses”, explicou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 575 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal