Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

27/02/2010 - IstoÉ Dinheiro Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

O algoz dos banqueiros

Por: Milton Gamez

José Berardo, um bilionário português, derrubou a cúpula de um banco, ao revelar fraudes em Cayman. Mas ficou mais pobre.

Bilionários, em geral, têm relações muito próximas com banqueiros. São cortejados, mimados e tratados com a máxima distinção. Mas um deles, o português José Berardo, hoje é o terror dos financistas europeus. Em especial, do Banco Comercial Português (BCP), o maior de capital privado no país. “Quero de volta o dinheiro que eles roubaram”, afirmou o investidor, no início de fevereiro. O roubo, no caso, foi o pagamento irregular de 24 milhões Euro em bônus a cinco executivos da cúpula do BCP. Dentre eles, estavam o presidente do conselho de administração, Jorge Jardim Gonçalves, e o diretor-presidente, Filipe Pinhal. Ambos caíram depois que Berardo denunciou à Justiça de Portugal, em dezembro de 2007, que o BCP emprestou 590 milhões Euro a 17 empresas controladas e sediadas no paraíso fiscal de Cayman, no Caribe, sem lançar as operações na contabilidade. O dinheiro, segundo o algoz dos banqueiros, foi usado para comprar ações do próprio banco durante quatro anos e inflar as cotações. Com essa estratégia, os bônus para o grupo foram mais gordos do que deveriam.

Berardo quer reaver o dinheiro para o banco, do qual detém uma participação de quase 7% no capital. Em junho do ano passado, os procuradores públicos acusaram os cinco executivos de manipulação de mercado, falsificação de documentos e fraude. O caso está sob análise da Justiça e pode render uma dezena de anos de prisão aos executivos, se forem condenados. O curioso nessa briga é que a denúncia custou ao bilionário uma fortuna muitas vezes maior que os pagamentos irregulares de bônus que ele delatou depois de receber documentos de funcionários não identificados do BCP. Antes de entrar na sala do procuradorgeral de Lisboa, Fernando Pinto Monteiro, e botar a boca no trombone, sua fatia no BCP valia US$ 1 bilhão. Após o escândalo se tornar público, a imagem do banco foi manchada e as ações do BCP despencaram mais de 70%, o que reduziu a fortuna de Berardo em US$ 730 milhões. “Não estou preocupado. Assim, não vão me pedir emprestado”, zomba o empresário desbocado.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 502 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal