Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/02/2010 - Correio da Manhã Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Lavagem de dinheiro em vendas do FC Porto

Por: Tânia Laranjo, Sérgio Pereira Cardoso e Manuela Teixeira

Belgas suspeitam que empresário Luciano D’Onofrio se apoderou de comissões com contratos de direitos de imagem.

A SAD do FC Porto foi ontem alvo de buscas por parte da Polícia Judiciária do Porto, a pedido das autoridades belgas, em resposta a uma carta rogatória onde se investiga o empresário Luciano D’Onofrio e os negócios feitos com Pinto da Costa. É suspeito de fraude fiscal e branqueamento de capitais, na sequência de transferências de jogadores portistas, desde a década de 90. O esquema passava pelo pagamento de direitos de imagem que revertiam a favor do empresário.

Em causa estão as mudanças de Vítor Baía para o Barcelona, Sérgio Conceição para a Lázio e ainda Folha para o Standard de Liége. O empresário mediou os negócios milionários e ter-se-á apropriado indevidamente de grandes quantias de dinheiro, que ficaram por declarar. A investigação belga data de 1996 e agora as autoridades pediram a colaboração a Portugal.

Segundo o CM apurou, os belgas procuram indícios de branqueamento de capitais, já que o quadro legal naquele país da Europa não exige a existência de qualquer crime associado. Luciano D’Onofrio poderá vir a ser indiciado apenas por branqueamento. Não há suspeitas de envolvimento do clube ou dos atletas cujas transferências foram investigadas.

Entretanto, durante a tarde de ontem, a própria SAD do FC Porto confirmou as buscas por parte das forças policiais, que começaram pelas 10h00 e pretendiam documentos relacionados com a empresa International Agency for Marketing, que está sediada no Liechtenstein, e que tem como beneficiário o agente italo-belga, agora dirigente do Standard de Liége.

A proximidade de D’Onofrio com Pinto da Costa tem já várias décadas. Nos anos 80, o empresário assumiu a pasta de director desportivo do FC Porto, liderando grande parte das transferências dos dragões nessa década – casos de Juary, Rui Barros ou Paulo Futre – tornando-se essencial para o sucesso desportivo e económico dos dragões.

Após ter enveredado pela carreira de empresário – um dos primeiros certificados pela FIFA –, D’Onofrio tornou-se um dos homens mais poderosos do futebol, sendo raro o negócio milionário que não tivesse a sua mão.

PONTE ENTRE PORTO E LIÉGE

Luciano D’Onofrio começa a investir no Standard de Liége em 1998, mas não aparece oficialmente nos quadros do clube até 2004, até porque era empresário ainda em funções. A partir da sua entrada no clube, o Standard subiu em flecha e, em 2008, sagra-se campeão, após 25 anos de jejum.

As relações de proximidade entre Luciano e Pinto da Costa permitiram ainda a chegada de vários jogadores do FC Porto ao clube belga. António Folha, Fredrik Sodestrom, Nuno André Coelho, Areias, Sérgio Conceição e Jorge Costa saíram dos dragões para jogarem no Standard.

PERFIL

Luciano D’onofrio nasceu em 1955, em Itália, mas três anos depois mudou-se para Liége, na Bélgica. Torna-se jogador de futebol, mas termina a carreira aos 28 anos, já em Portugal, no Portimonense. Envereda pelo dirigismo, sendo director do FC Porto. Passa depois a ser um dos maiores empresários do mundo do futebol. Actualmente, está na direcção do Standard de Liége.

O GUARDIÃO MAIS CARO DO MUNDO

Uma das transferências em investigação é a de Vítor Baía para o Barcelona, no Verão de 1996, por uma quantia de 6,5 milhões de euros, então o maior valor pago por um guarda-redes na história do futebol mundial. O empresário Luciano D’Onofrio mediou as negociações, numa transferência que já motivou buscas nas instalações do clube catalão, em Junho de 2009.

VEIGA AFASTADO DO NEGÓCIO

O FC Porto vendeu, em 1998, Sérgio Conceição à Lázio, por cerca de dez milhões de euros, numa oferta que até chegou ao Dragão pelo empresário José Veiga. Contudo, o negócio seria finalizado por D’Onofrio, o que causou o corte de relações entre José Veiga e Pinto da Costa. Sérgio Conceição ainda jogaria no Standard de Liége, entre 2004 e 2007.

ANTÓNIO FOLHA NUM 'VAI E VEM'

António Folha era extremo-esquerdo e andou num autêntico 'vai e vem' entre o Porto e Liége, na Bélgica. Em 1998, o esquerdino foi emprestado pelos dragões ao Standard, mas ainda voltaria a vestir de azul-e-branco, antes de ser transferido, de forma definitiva, para os belgas, no final de 1999/2000. Em Janeiro de 2001, regressou ao FC Porto.

PORMENORES

CONDENADO A DOIS ANOS

Luciano D’Onofrio já foi condenado em França por quatro vezes, sendo o caso mais grave de 2006, quando levou dois anos de prisão, por comissões fraudulentas em transferências do Olympique de Marselha, entre 1997 e 1999.

500 CONTOS POR PENÁLTI

Serge Cadorin, antigo avançado do Portimonense entretanto falecido, revelou, em 1986, uma promessa de D’Onofrio que, em troca de um penálti a favor do FC Porto, lhe terá prometido 500 contos e uma transferência para os dragões ou para um clube europeu.

GUERRA ENTRE IRMÃOS

A mudança de Sérgio Conceição para a Lázio contribuiu para o esfriar de relações entre o líder do FC Porto e o irmão Alexandre. O corte total surgiria com um problema familiar.

BARCELONA VISITADO

Em Junho de 2009, o Barcelona foi também alvo de buscas, tendo em vista irregularidades nas transferências de Vítor Baía, do FC Porto, e Christophe Dugarry, do AC Milan. O negócio Baía teve a chancela de D’Onofrio.

PJ À ESPERA DE DADOS

O alegado pagamento de 3,2 milhões feito pelo Sporting a José Veiga, através de um contrato de direitos de imagem com João Pinto, continua ainda a ser investigado pela brigada que combate o crime económico na Polícia Judiciária. Foram pedidas informações bancárias ao Luxemburgo, depois de a verba ter sido transferida pelo menos entre duas entidades bancárias. As autoridades ainda não receberam as informações daquele país e o inquérito continua na PJ.

Em causa está uma verba que fugiu ao controlo do Fisco. João Pinto acabara de rescindir com o Benfica e o Sporting acabou por acordar a sua aquisição por 4,1 milhões. O contrato fala em direitos de imagem no valor de 3,2 milhões, que entraram numa conta de um banco inglês, em nome da empresa inglesa Goodstone, onde José Veiga tinha uma procuração que lhe dava amplos poderes.

Veiga diz que interveio no processo como amigo do jogador, mas o Sporting assegura que era o empresário de João Pinto. O atleta, por sua vez, começou por se dizer enganado e remeteu-se ao silêncio quando foi ouvido. As autoridades defenderam depois que João Pinto conhecia a existência da verba e foi também constituído arguido por fraude fiscal.

Da conta da Goodstone, a PJ apurou ainda que o dinheiro seguiu para o Luxemburgo. A investigação sustenta que antes de entrar nas contas de João Pinto o dinheiro passou por outra conta de Veiga no Luxemburgo. Além da fraude fiscal há também suspeitas de burla ao Sporting.

POLÍCIAS BELGAS EM PORTUGAL

Os carros da Polícia Judiciária e das autoridades belgas entraram várias vezes no Estádio do Dragão pela garagem. Foram discretos e rápidos no acesso ao escritório do edifício e apenas o Volvo com matrícula belga denunciou a investigação sobre o agente desportivo italo-belga e as buscas na SAD portista. À tarde, o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, entrou na garagem , pelas 15h30, conduzido pelo motorista e saiu duas horas depois ao volante do seu automóvel. Nenhum outro movimento exterior revelou as diligências policiais.

DIFAMAÇÃO: RIO CONTRA PINTO

Começou ontem, no Porto, o julgamento emque Pinto da Costa acusa o jornalista Rui Santos de difamação. O presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, é testemunha de defesa de Rui Santos

CASO: RECEBIA 400€/MÊS

Segundo a acusação, Rui Santos terá referido no livro ‘Estádio de Choque’ e no programa ‘Tempo Extra’, da SIC, que Pinto da Costa disse que recebia, antes de 2004, 400 euros mensais

'APITO': PROCURADOR OUVIDO

O procurador Carlos Teixeira, que ouviu o presidente do FC Porto em 2004, no âmbito do processo ‘Apito Dourado’, foi ouvido também ontem. O jornalista depõe a 10 de Março

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 266 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal