Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

07/02/2010 - Expresso MT Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Carteiras falsas são usadas em visitas

Sistema flagrou 2 episódios que acabaram por denunciar esquema de cooptação de pessoas na fila para confeccionar documento fraudado e entrar.

Se já não bastasse o problema da entrada de telefones celulares nos presídios, a Superintendência do Sistema Prisional de Mato Grosso convive com uma nova dificuldade – a falsificação de carteiras de visitantes nas unidades prisionais.

Somente neste ano, foram quatro pessoas presas com carteiras falsificadas tentando entrar na Cadeia Pública do Carumbé e na Penitenciária Central do Estado (Antigo Pascoal Ramos).

Por trás dessas carteiras, existe um esquema de comercialização em que o interessado precisa de apenas uma foto 3x4 e pagar entre R$ 200 e R$ 300 para tê-la em mãos e ter acesso ao presídio. A quadrilha age do lado de fora dos presídios, abordando pessoas que possuem dificuldades em visitar parentes ou mesmo armando algum esquema criminoso.

“Com a carteira falsa de visitante, qualquer pessoa pode entrar e se passar por parente de preso. Imagina-se, então quem tiver segundas intenções. Pode fazer o que quiser mesmo”, lembrou um agente prisional.

Na semana passada, a dona-de-casa Alessandra Rosa Teixeira, de 34 anos, foi flagrada com uma carteira dessas tentando visitar um preso na Penitenciária Central, mas a falsificação estava tão grosseira que foi descoberta de imediato. Levada para a Delegacia do Complexo do Coxipó, ela foi autuada pelo crime de uso de documento falso.

Ela explicou que pagou R$ 200 a uma pessoa que a abordou na saída da Penitenciária. “Vendo que eu queria visitar meu parente e a assistente social não autorizou, essa pessoa me ofereceu uma carteira de visitante por R$ 200”, relatou.

Para obtê-la, deveria fornecer uma foto 3x4 e pagar R$ 200. Em dois dias ela entraria em contato para entregar a carteira e receber o valor combinado. Na quarta-feira, dia de visita, um motociclista a procurou na praça Alencastro e entregou a carteira, mediante pagamento.

Três dias antes, outra mulher foi presa tentando entrar no mesmo presídio com uma carteira também de falsificação grosseira. Ela disse ter pago R$ 130. Desta vez, a pessoa que ela deveria visitar foi quem providenciou tudo, menos a foto e o pagamento.

Familiares de presos disseram não ser difícil falsificar essas carteiras. “Na verdade, a questão é que na entrada não é exigido outro documento além da carteirinha. Pelo menos no Carumbé, não sei dos outros presídios”, relatou.

A Superintendência do Sistema Prisional informou estar ciente do problema, mas ainda não contabilizou quantos casos ocorreram. Todos os casos estão sendo investigados pela polícia, principalmente para descobrir quem está fornecendo as carteiras.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 190 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal