Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

30/01/2010 - O Globo Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia apreende 100 mil roupas falsificadas e prende dez pessoas em Goiás


GOIÂNIA - Cem mil unidades de roupas falsificadas - cerca de 40 toneladas de produtos - foram apreendidas ontem durante a Operação Piratas S.A., da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon) em Jaraguá, em Goiás, nesta sexta-feira. Dez pessoas foram presas em flagrante por pirataria e podem ser indiciadas ainda por sonegação de impostos. Até o fim da tarde de sexta, seis já haviam sido soltas depois de pagar fiança, que variou entre R$ 3 mil e R$ 6 mil.

Cerca de cem pequenas e médias indústrias têxteis foram fiscalizadas e fechadas na operação, que contou com o apoio da Polícia Civil local e de equipes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária (DOT), Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc) e Grupo Tático 3 (GT-3).

- Foram 50 policiais civis, além de servidores da Receita Federal, Fisco estadual e Ministério Público, que auxiliaram no cumprimento de 20 mandados de busca e apreensão - explicou o delegado Edemundo Dias de Oliveira Filho, titular da Decon.

Foram apreendidas ainda cerca de 10 mil etiquetas falsas de marcas famosas como Colcci, Carmim, Coca-Cola, Brooksfield e Lacoste, cinco computadores, notas fiscais e documentos das empresas. Tudo será analisado ao longo da investigação para apurar o volume de sonegação das empresas, que, segundo Edemundo Filho, pode chegar a R$ 500 milhões ao ano, já que o volume de recursos oriundos da pirataria na cidade é de R$ 100 milhões ao mês.

- Conseguimos atingir o calcanhar de Aquiles da pirataria em Jaraguá e acreditamos ter desarticulado uma rede criminosa envolvida com a lavagem de dinheiro - disse o delegado.

Edemundo diz que a segunda parte da operação deve comprovar a conexão entre a pirataria têxtil de Jaraguá com o crime organizado em outras partes do país.

- Para lavar o dinheiro, muitos abrem indústrias idôneas, com marcas próprias, acima de qualquer suspeita - disse.

Ele lembrou que há oito meses houve um roubo em uma indústria de pequeno porte da cidade, em que os assaltantes levaram mais de R$ 1 milhão em dinheiro e cheques.

- É um mercado ilícito que lucra muito. Esse assalto ainda é investigado - afirmou.

Segundo o delegado, o fechamento de fábricas de roupas falsificadas em Jaraguá não deve ser visto de forma negativa, em que pessoas ficarão desempregadas. Para ele, são empregos informais e que prejudicam aqueles que trabalham na formalidade. Todas as mercadorias apreendidas ficaram em um depósito do Fórum de Jaraguá. Apenas a documentação das empresas, como notas fiscais, e os computadores serão trazidos para Goiânia, onde serão submetidos à perícia no Instituto de Criminalística.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 207 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal