Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

27/01/2006 - O Norte Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MP investiga irregularidades no financiamento de carros


O Ministério Público da Paraíba instaurou um Inquérito Civil Público para apurar possíveis irregularidades no financiamento de veículos em João Pessoa. O curador do Consumidor, Francisco Sagres, recebeu denúncias de que no ato do financiamento do veículo estavam sendo embutidos percentuais de juros, cujo valor em dinheiro, era devolvido pelas financiadoras aos proprietários das lojas dos veículos, sem o conhecimento do consumidor.


O Ministério Público estabeleceu um prazo de 20 dias para que as empresas de créditos que trabalham com automóveis e bens duráveis, encaminhem todos os contratos de financiamento realizados nos últimos dois anos, indicando o índice de reajuste aplicado a cada um deles e o devido conhecimento por parte do consumidor contratante. Pede ainda os contratos firmados no mesmo período, onde os consumidores sofreram ações de busca de apreensão em função de inadimplência.


Na ação, o Ministério Público notificou as empresas ABN AMRO REAL S/A, UNIBANCO, Banco ITAÚ S/A e HSBC. O curador também requisita técnicos da Universidade Federal da Paraíba para análise dos contratos requisitados aos agentes financeiros para as apurações e confrontos financeiros.


Assinam o Inquérito Civil, além do ministério Público, os Procons do Estado e de João Pessoa, representados pelos coordenadores Odon Bezerra e Sandro Targino. "O que vamos analisar nesses casos é a prática de estelionato. Os consumidores recebem a informação do valor da taxa de juro do financiamento de um automóvel e nesse financiamento vem embutido um percentual que não é informado", disse Sagres.


Em um depoimento já colhido pelo Ministério Público, um agenciador declarou que recebeu, a título de retorno, a importância de R$ 1.200,00. Esse retorno refere-se ao índice a ser aplicado no financiamento, onde o lojista dispõe de uma escala de "0" a "10", sendo o fator zero o valor recebido pela financiadora e os demais, ou seja, os acréscimos impostos ao financiamento, repassados a loja.


No depoimento, o próprio vendedor informou que o consumidor nunca tem conhecimento da correlação entre o valor da prestação e o índice aplicado. "É um desrespeito ao consumidor. A majoração feita pelo lojista dá um retorno de 2 a 10% do valor financiado. É estelionato", disse o curador.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 537 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal