Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

11/01/2010 - Zero Hora Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ex-deputado federal é condenado por fraude em licitações de ambulâncias

Sentença judicial exige que Érico Ribeiro devolva R$ 10 mil e pague multa de R$ 30 mil.

Acusado de participar da chamada Máfia dos Sanguessugas, o ex-deputado federal Érico Ribeiro (PP) foi condenado pela 2ª Vara Federal em Porto Alegre. Além de bloquear saques e bens de Ribeiro, a sentença suspende seus direitos políticos por 10 anos, exige a devolução de R$ 10 mil - que teriam sido ganhos ilegalmente no esquema - e ainda cobra multa de R$ 30 mil.

Conforme a decisão da juíza substituta Paula Beck Bohn, o ex-parlamentar fica proibido de participar de qualquer processo de licitação pública. Ribeiro é acusado de ter apresentado, em troca de propina, emendas ao orçamento para beneficiar a empresa Planam, de Cuiabá (MT). O esquema descoberto em 2006 pela Operação Sanguessuga, da Polícia Federal, manipulava licitações de ambulâncias, que eram superfaturadas.

A decisão da 2ª Vara Federal também condena o empresário Luiz Antônio Vedoin - cobrando R$ 30 mil em multa -, mas absolve seu pai, Darci Vedoin, sócio da Planam, e Flávio Santos Silva.

Em sua sentença, a juíza justificou a condenação de Érico Ribeiro como consequência de uma "conduta altamente reprovável, revelando abuso no exercício do mandato, desprezo pela coisa pública e pelas funções assumidas no Congresso Nacional, onde deveria atuar na defesa dos interesses dos eleitores a quem representava, e não dos seus interesses particulares, desvirtuamento que merece repúdio."

Em entrevista a Zero Hora, o ex-deputado afirmou que entrará imediatamente com recurso para anular a decisão da juíza que, segundo ele, é "completamente estapafúrdia". Ribeiro ressaltou ainda que as denúncias contra ele foram arquivadas no Mato Grosso e no Distrito Federal por sugestão do Ministério Público.

- Foi lá que os fatos ocorreram, e me consideraram inocente. Agora a Justiça de Porto Alegre acata essa acusação baseada em jornais? É um absurdo tão grande que não acredito que tenha ocorrido - disse Ribeiro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 210 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal