Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

08/01/2010 - O São Gonçalo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Ex-subsecretária de São Gonçalo acusada de fraude


Sem deficiência física, a ex-subsecretaria de Cultura de São Gonçalo no governo Henry Charles, Cleise Campos prestou concurso para a Secretaria de Educação de Macaé na cota para portadores de necessidades especiais. A denúncia é do professor Manoel Farias, que também prestou o concurso e pretende representar contra a ex-subsecretaria no Sindicato dos Professores e no Instituto Nacional do Concurso Público (Incp), organizador da seleção.
“Ela tem relações políticas na Prefeitura de Macaé. O sindicato dos professores tem que apurar os fatos. Ele é parte interessada na legitimidade do concurso”, diz Farias, que participou do concurso e não foi aprovado. A seleção oferece 182 vagas, com salários de R$ 1.366, e o resultado preliminar saiu dia 6. Cleise obteve 52 pontos e ficou em terceiro entre os aprovados nas vagas para deficientes.

Ela rebate as acusações dizendo que há oito meses anda de bengala, por conta de uma fratura no calcanhar o que dificulta sua locomoção. “Por conta disso fiz a prova com outros candidatos com alguma limitação física, como cadeirantes e grávidas. Isso gerou a confusão. Como fiz a prova com as pessoas que tinham problema físico, meu nome saiu como deficiente, na lista de classificação. Eu não fui à prestação de prova de títulos por isso. Caso fosse seria classificada. Não sou deficiente física, eles se enganaram e meu nome saiu na lista”, diz Cleise.

O Incp responsável pela organização do concurso informou que a inscrição de Cleise consta como deficiente física e por isso seu nome saiu na lista de classificação dessa forma. Segundo o Instituto, isso significa que no ato de inscrição ela preencheu a ficha se candidatando a quota de 10%.
A Comissão de Concursos de Macaé, subordinada a Secretaria de Educação informou que não tem como saber no momento da inscrição se a pessoa tem ou não alguma limitação física. Só na posse, que concorreu como deficiente tem que apresentar laudo médico que comprove a deficiência.
“Se ela foi aprovada terá que apresentar laudo médico que prove a deficiência no momento da posse. Se não comprovar será emitido protocolo para a comissão de recursos”, explica Rose Salgado, secretaria admnistrativa da Comissão de Concursos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 367 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal