Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/01/2010 - Gazeta do Povo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mensagem de prêmio? É golpe

Por: Jorge Olavo, Aline Peres e Vinícius Boreki

Textos dizendo que a pessoa ganhou um carro, dinheiro ou uma casa voltam a ser comuns; objetivo é conseguir dinheiro ou créditos de celular.

“Parabéns! Você ganhou um carro!” Mensagens como essa recebidas via celular têm atraído centenas de pessoas para um velho golpe que tem como objetivo tirar dinheiro de quem cai no conto. A descrição pode ser familiar devido ao fato de os golpes serem sazonais e rotatórios: de tempo em tempo voltam a aparecer em diferentes regiões do país para fazer novas vítimas. Nas últimas semanas, foi a vez dos curitibanos. Por um lado, a credulidade de quem se entusiasma com um prêmio fácil estimula novas ações dos golpistas; do outro, a dificuldade das autoridades para coibir o crime já faz com que ele esteja na ativa há pelo menos quatro anos – sendo praticado, inclusive, de dentro de presídios.

A mensagem chega pelo celular dizendo que o dono do aparelho foi contemplado com um grande prêmio – carro, casa ou quantias em dinheiro dados por uma emissora de televisão ou operadora de telefonia. Para ganhar a bolada a pessoa deve ligar “grátis”, geralmente, para um número com prefixo 85, correspondente a Fortaleza (CE). Nesta semana, três mensagens chegaram à Gazeta do Povo. A reportagem retornou a ligação. Um homem com sotaque nordestino atendeu e relatou uma história sem lógica e repleta de contradições (confira alguns trechos do diálogo no box). Ele fingiu conferir o número do celular e garante o prêmio. “Com certeza o senhor é um ganhador. Ganhando um automóvel Citröen C4 e mais R$ 5 mil”, disse.

Depois de um tempo de conversa, ele perguntou se a reportagem estava pronta para ganhar o prêmio. Surgiu então uma tarefa relâmpago. Em 30 minutos, era preciso sacar R$ 450 e depositar em uma conta bancária passada por ele para liberar o prêmio. O destino do dinheiro muda no decorrer da conversa – inicialmente iria para uma organização não-governamental e depois para a diretoria da emissora. O mesmo procedimento já havia sido tomado pela reportagem há dois anos. Porém, em 2008, depois de saber que estava falando com um jornalista, o golpista revelou ser um presidiário. Desta vez, após identificação da reportagem, a ligação foi encerrada.

Investigação

O delegado Itiro Hashitani, titular da Delegacia de Estelionato e Desvio de Cargas, confirma que muita gente tem recebido a mensagem. “Eu mesmo recebi no meu telefone que ganhei dois Gols do SBT. Aqui na delegacia, outros quatro policiais também receberam”, conta. “Aleato­riamente, eles jogam a mensagem para umas mil pessoas. Eventualmente, se duas caírem, já é lucro”. Contudo, Hashitani adianta que nenhum caso concreto foi registrado em Curitiba ultimamente. Nenhuma vítima procurou a delegacia. “A pessoa imediatamente cai na real. Fica com vergonha de ter caído no golpe e não faz boletim”, explica.

Por se tratar de um aparelho móvel, Hashitani diz ser difícil apontar de onde vêm as mensagens. “Imagino que vêm de longe. Uma forma de dificultar [a ação da polícia]. Para chegar em Fortaleza é difícil”, afirma. Seguindo a mesma linha, o delegado Jaime Linhares, da Delegacia de Defraudações de Fortaleza, reforça que um celular pode ser usado em qualquer lugar com o prefixo de origem. “A princípio, não podemos afirmar que por ter código 85 as ligações tenham partido do Ceará. Pode partir de qualquer lugar do país.”

A polícia cearense tem quebrado o sigilo telefônico de números usados no golpe para saber de onde partem as ligações. Parte delas estão centradas no Ceará, mas também foram identificados focos em Minas Gerais, Rio de Janeiro e muitos em São Paulo. Ele nega que a maioria das ligações parta de dentro dos presídios. “Parte vem de presídios, mas não podemos afirmar que é a maioria. Temos casos de ligações que foram feitas de regiões que não têm presídio por perto”, conta Linhares. No Ceará, casos relacionados a presídios são frequentes no Instituto Penal Paulo Sarasate (IPPS) e no Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira (IPPOO), ambos em Itaitinga, região de Fortaleza.

Na quinta-feira passada, 18 celulares, 34 chips, 12 carregadores e duas baterias foram apreendidos nas celas do IPPS durante uma operação encabeçada pela Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará. Em 2008, o secretário Marcos Cals disse à Gazeta do Povo que estava adotando rigor para impedir a entrada de celulares nos presídios cearenses e aguardava o fornecimento de um equipamento do Departamento Penitenciário Nacional, estimado em R$ 550 mil, para identificar celulares em uso nas carceragens. Cals foi procurado novamente pela reportagem, mas não retornou a ligação.

Dicas

Os delegados deram algumas dicas para que as pessoas estejam atentas e não caiam no golpe. Mensagens com erros de português, histórias sem lógica, mistura de patrocinadores, tarefas relâmpago e solicitação de compra de cartões telefônicos ou depósitos em dinheiro são indícios que indicam o crime. Eles ainda aconselham que a pessoa simplesmente ignore a mensagem recebida, converse sobre o caso em casa, não ligue para o número solicitado e não forneça dados pessoais por telefone.

Na fita

Os principais trechos da conversa com o golpista, gravada pela reportagem

“É, sim senhor, aqui é do SBT. (...) Só um momento que eu vou transferir a sua ligação para o ramal da Rede Record. Porque está conectado às duas empresas.”

“O senhor está ligando de Curitiba, código 41? Sério? Meus parabéns! Como o senhor vai e sua família?”

“É verdade, meu querido. É uma promoção da Rede Record."

“Meus parabéns, meu querido, pode comemorar. Como está a sua felicidade sendo o ganhador?”

“O senhor tem preferência por receber o automóvel ou o valor do automóvel? Temos na cor prata, vermelho, verde cana e azul.”

“O senhor está preparado neste exato momento para receber este prêmio. O senhor vai fazer uma doação de R$ 450 para uma instituição não governamental.”

“Sou um cidadão de bem que não precisa estar com brincadeira e nem brincando com os seus sentimentos e com a sua felicidade. Meu trabalho é de muita responsabilidade. Tem muitos presidiários passando trote e pegadinha.”

Possibilidade de ganho fácil estimula prática

A conquista de bens sem qualquer esforço é o que mais contribui para que pessoas inexperientes e muito crédulas caiam em golpes como o da mensagem premiada. “As pessoas se prendem facilmente com o ganho fácil. É o que funciona nos golpes”, avalia a psicóloga Cleia Oliveira Cunha. “Na hora, a empolgação, a euforia é tão grande que toda a lógica se perde. Perde-se o raciocínio lógico, a coerência e o espírito crítico.” Isso faz com que as vítimas não percebam as contradições da história contada pelo golpista.

A psicóloga acredita que pessoas com um baixo grau de instrução (o que pode estar relacionado à condição socioeconômica, ao nível de escolaridade e de informação e até mesmo à idade) estejam mais vulneráveis ao crime. Ela não vê a ganância agir sobre quem cai no conto. Acre­dita que a sociedade em que vivemos induz as vítimas ao erro. “A ganância é um vocábulo pertinente em outra época. Hoje vivemos numa época do ter e não do ser. Todos estão voltados para o ter mais”, diz Cleia. (JO)

Mercado negro dificulta ação da polícia

A mobilidade dos celulares coloca barreiras na ação da polícia. “Já tentamos ir atrás e não conseguimos chegar aos caras. Chegamos a nomes de pessoas que nem sabiam da existência do celular. Não conseguimos chegar fisicamente ao golpista”, afirma o delegado Itiro Hashi­tani. Para ele, as dificuldades são causadas pela falta de rigor na venda de telefones móveis e pelo descuido de proprietários de celulares que deixam de bloquear um aparelho depois de tê-lo perdido ou furtado. “Hoje fugiu totalmente do controle. Virou bagunça. Tudo isso alimenta um mercado negro que utiliza os telefones para diversas finalidades”, diz Hashitani. O delegado Jaime Linhares tem a mesma opinião. “É bom que se crie a consciência de que o estelionatário se cria em cima da fragilidade do sistema de comunicação. Hoje podemos comprar chips com dados de qualquer pessoa.”

Para tentar inibir esse problema, o Ministério da Justiça (MJ) anunciou nesta semana que dará início a uma campanha que oriente as pessoas que tiveram celulares roubados ou furtados a bloquearem os aparelhos e a fazer boletim de ocorrência na polícia. A partir do número do Imei (International Mobile Equip­ment Identity) do celular, o aparelho pode ser bloqueado mesmo que o chip seja trocado. O código de 15 algarismos é programado na fábrica e pode ser encontrado no próprio aparelho, na caixa ou ligando para *#06#. “Para interromper o ciclo da violência, o consumidor precisa fazer a sua parte. Quanto mais gente bloquear os seus aparelhos roubados ou furtados, melhor, pois menor será a oferta desses produtos obtidos de maneira criminosa”, afirmou, em nota, a secretária de Direito Econômico do MJ, Mariana Tavares de Araújo. (JO)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 342 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal