Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

07/03/2007 - Correio Braziliense Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia prende suspeito de vender vales-transporte falsificados


A polícia investiga a atuação de uma quadrilha de falsificadores de vales-transporte no Distrito Federal. Nesta terça-feira, Álvaro Fernandes de Araújo, 34 anos, foi preso no setor central do Gama, próximo ao terminal rodoviário, com 27.500 vales de R$ 2,00. O valor do material falso era de R$ 55 mil. O grupo pode estar agindo também em outros Estados. O caso está sendo investigado pela 14º Delegacia de Polícia.

No domingo, o suspeito ofereceu ao cambista Antônio Edivan os vales ao preço de R$ 1,50. Como o valor estava baixo, o cambista comprou 2 mil unidades. Descoberta a farsa, o prejuízo foi de R$ 3 mil. “Isso acontece, como o vale estava barato o cambista comprou logo um pacote. Geralmente as vítimas de estelionato caem no golpe pela ganância”, explica o delegado Jurandir Teixeira Pinto, que investiga o caso.

Após vender os vales, o acusado de estelionato pediu ao cambista que repassasse o seu número de celular para outros colegas e assim acelerar as vendas. Ao ficarem sabendo da compra, alguns cambistas amigos de Antônio acharam estranho, pois já haviam caído em um golpe onde o estelionatário oferecia grande quantidade de vale-transporte a um preço baixo. A partir de então, decidiram ver se o golpista era o mesmo que já vinha enganando outras pessoas no Gama. Na segunda feira, um deles ligou e combinou de encontrar com Álvaro no mesmo lugar onde Antônio comprou os vales, perto do terminal rodoviário.

Na hora marcada, um grupo de cambistas chegou ao local e reconheceu o acusado. Pessoas que já haviam sido lesadas tentaram agredir o vendedor de vales falsos. A polícia foi chamada e Álvaro de Araújo preso. Com ele foram encontrados os 27.500 mil vales que o suspeito tentava vender. Eles estavam dentro de uma bolsa no carro de Álvaro de Araújo, um Toyota Corola. O acusado afirmou que o veículo, com placa do Mato Grosso, foi emprestado por um amigo. Segundo a Polícia Civil, um mandado de busca e apreensão do veículo já havia sido expedido pela Justiça.

Ramificações

Para o delegado Jurandir Teixeira, as suspeitas são de que o suspeito faça parte de uma quadrilha que age em todo o País. “Pelo alto nível das falsificações, deve haver mais gente envolvida”, disse. “As falsificações só podem ter sido feitas em uma gráfica muito boa. A qualidade do produto é excelente”, acrescentou. A única diferença perceptível é a gramatura do papel, a do vale original é mais fino. O falsificado também tem uma superfície mais áspera, percebida pelo toque. A falsificação dos vales-transporte só foi comprovada após análise do perito do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros e das Empresas de Transporte Coletivo. Testes feitos com substâncias químicas e luz ultravioleta comprovaram a fraude.

Segundo o delegado, várias pessoas tentaram entrar em contato com o suspeito através de três telefones celulares que ele levava. Esse seria um forte indício da existência de uma quadrilha com ramificações em todo país. Na tela dos aparelhos, apareceram números de vários estados. “A gente imagina que o que foi apreendido é uma pequena parte do que está espalhado no Distrito Federal e em outras cidades brasileiras”, destacou o delegado. “Também pode ter sido uma quadrilha”, pondera.

Origem

Segundo a polícia, o acusado contou que trabalha para um homem chamado Franklin. Ele receberia os vales-transporte de uma mulher, responsável por desviá-los de uma empresa de transporte, que não foi especificada. Mas como a falsificação foi comprovada, a informação prestada pelo estelionatário pode não proceder. A polícia também investiga se Álvaro Fernandes de Araújo realmente é o nome verdadeiro do acusado. A delegado Jurandir Teixeira acredita que ele usa a identidade de outra pessoa. “Apesar de o papel moeda da carteira de identidade ser verdadeiro, ele pode muito bem estar se passando por outra pessoa”, explica. Os documentos apresentados pelo preso são de Roraima.

Ainda nesta quarta-feira o acusado de estelionato será transferido para a carceragem da Delegacia de Policia Especializada. As investigações vão continuar. A Policia Civil fará contato com as delegacias das cidades que apareceram nos celulares. Se for condenado, ele será enquadrado pelo crime de estelionato, com pena que varia de um a cinco anos e por falsificação de documentos, com pena que varia de dois a seis anos de cadeia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 541 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal