Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

27/12/2009 - Jornal Opção Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Projeto de Lula contra corrupção não é novo

Por: Andréia Bahia

Proposta de equiparação a crimes hediondos foi apresentada no Senado em 2003 dentro de um pacote anticorrupção de Demóstenes Torres.

O pro­je­to de lei do pre­si­den­te Lu­iz Iná­cio Lu­la da Sil­va, que trans­for­ma a cor­rup­ção na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca em cri­me he­di­on­do, foi re­ce­bi­do co­mo um gran­de avan­ço no com­ba­te à cor­rup­ção no pa­ís – con­si­de­ra­da um dos pro­ble­mas que im­pe­dem o Bra­sil de ser al­ça­do à con­di­ção de su­per­po­tên­cia jun­to com ao bai­xo ní­vel edu­ca­cio­nal au­fe­ri­do no pa­ís. Mas o pro­je­to do pre­si­den­te não traz ne­nhu­ma no­vi­da­de pa­ra o Con­gres­so. A ma­té­ria já foi apre­sen­ta­da aos par­la­men­ta­res pe­lo se­na­dor De­mós­te­nes Tor­res (DEM) em 2003.

O de­mo­cra­ta pro­pôs um pa­co­te an­ti­cor­rup­ção que in­cor­po­rou pro­je­tos de vá­rios se­na­do­res. Apro­vei­ta, por exem­plo, pro­pos­ta da en­tão se­na­do­ra He­loí­sa He­le­na (PSOL-AL) e o pro­je­to de au­to­ria do se­na­dor Cris­to­vam Bu­ar­que (PDT-DF), que re­la­ci­o­na, além dos cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e ati­va, os de pe­cu­la­to e de in­ser­ção de da­dos fal­sos ou mo­di­fi­ca­ção não au­to­ri­za­da em sis­te­ma de in­for­ma­ções. In­cor­po­rou tam­bém pro­pos­ta do se­na­dor Ro­meu Tu­ma (PTB-SP) que acres­cen­ta à lis­ta de cri­mes he­di­on­dos a fal­si­fi­ca­ção, adul­te­ra­ção ou al­te­ra­ção de sub­stân­cia ou pro­du­tos ali­men­tí­ci­os. De­li­tos que pro­vo­cam pre­ju­í­zos aos co­fres pú­bli­cos. O se­na­dor só não apro­vei­tou aque­las pro­pos­tas que tra­tam de cor­rup­ção, mas que fo­ram re­gu­la­das em lei ou tra­ta­das em ou­tras pro­pos­tas em tra­mi­ta­ção

Nes­te pa­co­te an­ti­cor­rup­ção apre­sen­ta­do por De­mós­te­nes Tor­res es­tá in­cluí­do o pro­je­to que trans­for­ma em he­di­on­dos to­dos os cri­mes de cor­rup­ção ati­va e pas­si­va e de pe­cu­la­to. Uma pro­pos­ta mui­to se­me­lhan­te à ap­re­sen­ta­da pe­lo pre­si­den­te Lu­la no Dia Mun­di­al de Com­ba­te à Cor­rup­ção, 10 de de­zem­bro. A pro­pos­ta está pa­ra en­trar na pau­ta de vo­ta­ção da Co­mis­são de Cons­ti­tu­i­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Senado e o se­na­dor acre­di­ta que pos­sa ser vo­ta­da lo­go no re­tor­no das re­u­­ni­ões, em fe­ve­rei­ro de 2010. Se for apro­va­da e não hou­ver re­cur­so pa­ra que se­ja sub­me­ti­da ao Ple­ná­rio, se­gui­rá pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Na pro­pos­ta apre­sen­ta­da pe­lo pre­si­den­te Lu­la ao Con­gres­so, pas­sam a ser con­si­de­ra­dos cri­mes he­di­on­dos — sem di­rei­to a fi­an­ça e in­dul­to — os de con­cus­são, quan­do se usa a fun­ção pú­bli­ca pa­ra pe­dir di­nhei­ro ou van­ta­gem, de pe­cu­la­to, apro­pria­ção ou des­vio de va­lo­res ou bens por ser­vi­dor, e de cor­rup­ção ati­va e pas­si­va. As pe­nas pa­ra es­ses cri­mes pas­sam a ser de 4 a 12 anos de pri­são pa­ra o ser­vi­dor co­mum. Pa­ra as al­tas au­to­ri­da­des, pre­si­den­te, go­ver­na­dor, pre­fei­to, en­tre ou­tros, as pe­nas va­ri­am en­tre 8 e 16 anos. A le­gis­la­ção atu­al pre­vê de­ten­ção de 2 a 12 anos in­dis­cri­mi­na­da­men­te. No ca­so de con­cus­são, a pe­na má­xi­ma pre­vis­ta é de 8 anos. O pro­je­to do pre­si­den­te tam­bém am­plia o pe­rí­o­do de pri­são tem­po­rá­ria.

A pro­pos­ta de Lu­la aca­ba de che­gar ao Se­na­do, en­quan­to o pro­je­to de De­mós­te­nes Tor­res já con­ta com pa­re­cer apro­va­do pe­los se­na­do­res. Por cau­sa dis­so, De­mós­te­nes Tor­res acre­di­ta que a tra­mi­ta­ção de sua pro­pos­ta de­ve ser mais rá­pi­da do que a do pro­je­to do exe­cu­ti­vo, que tra­ta do mes­mo as­sun­to. “A che­ga­da do pro­je­to do pre­si­den­te Lu­la fa­vo­re­ceu a tra­mi­ta­ção do meu por­que o go­ver­no vi­nha boi­co­tan­do o meu pro­je­to e, ago­ra, aque­les que eram con­tra es­tão mu­dan­do de opi­ni­ão”, diz o se­na­dor.

Não há cri­me he­di­on­do — Pa­ra Cláu­dio We­ber Abra­mo, pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal Tran­spa­rên­cia Bra­sil, o pro­je­to en­ca­mi­nha­do pe­lo exe­cu­ti­vo “é inó­cuo”. “Há vá­rios pro­ble­mas com a pu­ni­ção de pes­so­as en­vol­vi­das em cri­me de cor­rup­ção, mas mui­to do que acon­te­ce no Bra­sil não pre­ci­sa de mais leis pa­ra ser pu­ni­do”, afir­ma. Pa­ra ele, a le­gis­la­ção é se­cun­dá­ria por­que o pro­ble­ma não é a pu­ni­ção. “Mes­mo nas hi­pó­tes­es de cri­mes he­di­on­dos — la­tro­cí­nio, se­ques­tro e es­tu­pro — as res­tri­ções qua­se nun­ca são apli­ca­das por­que exis­tem con­di­cio­na­men­tos pa­ra se­rem apli­ca­das.” Se­gun­do ele, qua­se nin­guém é pre­so sem di­rei­to a pa­ga­men­to de fi­an­ça e a pro­gres­são de pe­na. “No Bra­sil, não exis­te cri­me he­di­on­do”, afir­ma Cláu­dio Abra­mo.

E es­se é o gran­de de­fei­to des­tas ini­ci­a­ti­vas, afir­ma o pre­si­den­te da Tran­spa­rên­cia Bra­sil, or­ga­ni­za­ção fun­da­da em abril de 2000 por um gru­po de in­di­ví­duos e or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais com­pro­me­ti­dos com o com­ba­te à cor­rup­ção. Na opi­ni­ão do pre­si­den­te da ONG, exis­tem dois gran­des mo­ti­vos pa­ra os po­lí­ti­cos bra­si­lei­ros não se­rem con­de­na­dos quan­do pe­gos em cri­mes de cor­rup­ção. A pri­mei­ra diz res­pei­to ao pró­prio Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, que, se­gun­do ele, “ofe­re­ce opor­tu­ni­da­de de to­do ti­po de re­cur­so pa­ra pro­te­lar o jul­ga­men­to do pro­ces­so”. “Se o cor­rup­to ti­ver di­nhei­ro, o pro­ces­so nun­ca vai tran­si­tar em jul­ga­do”, afir­ma Cláu­dio Abra­mo. E o que não fal­ta aos po­lí­ti­cos, ob­ser­va ele, é di­nhei­ro pa­ra pa­gar bons ad­vo­ga­dos. “Só quem não tem di­nhei­ro é pe­na­li­za­do.”

Além dis­so, pa­ra se ca­rac­te­ri­zar um cri­me de cor­rup­ção é pre­ci­so pro­var a in­ten­ção do au­tor e “in­ten­ção é uma coi­sa sub­je­ti­va”, ob­ser­va Cláu­dio Abra­mo. Se­gun­do ele, co­mo não é pos­sí­vel pro­var a in­ten­ção, o réu nun­ca é con­de­na­do. Sen­do as­sim, afir­ma, não adi­an­ta au­men­tar a pe­na de quem não vai se­quer ser con­de­na­do pelo cri­me que co­me­teu.

O sub­sti­tu­ti­vo do se­na­dor De­mós­te­nes Tor­res tra­ta de al­guns dos pon­tos ci­ta­dos pe­lo pre­si­den­te da Tran­spa­rên­cia Bra­sil. Os no­ve pro­je­tos de lei do sub­sti­tu­ti­vo in­cor­po­ram, en­tre ou­tras coi­sas, fi­gu­ras qua­li­fi­ca­das pa­ra os cri­mes de cor­rup­ção na lis­ta de prá­ti­cas cri­mi­no­sas con­ti­da na Lei de Cri­mes He­di­on­dos. Além dos cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e ati­va e pe­cu­la­to, o se­na­dor acres­cen­tou ao pro­je­to a in­ser­ção de da­dos fal­sos ou mo­di­fi­ca­ção não au­to­ri­za­da em sis­te­ma de in­for­ma­ções e acres­cen­tou ao rol de cri­mes he­di­on­dos a fal­si­fi­ca­ção, adul­te­ra­ção ou al­te­ra­ção de sub­stân­cia ou pro­du­tos ali­men­tí­ci­os.

Do “pa­co­te an­ti­cor­rup­ção” de De­mós­te­nes Tor­res, se­te tra­mi­tam no Se­na­do e dois já fo­ram apro­va­dos pe­los se­na­do­res e en­vi­a­dos à Câ­ma­ra. Ele pro­põe pa­ra os cri­mes con­tra a or­dem tri­bu­tá­ria a mes­ma pu­ni­ção su­ge­ri­da pa­ra os cri­mes de cor­rup­ção, au­men­to da pe­na e obri­ga­to­ri­e­da­de do re­gi­me ini­ci­al fe­cha­do pa­ra o cum­pri­men­to da pe­na. Os so­ne­ga­do­res, as­sim co­mo os cor­rup­tos, não po­de­rão pro­gre­dir de re­gi­me ou ob­ter o li­vra­men­to con­di­cio­nal sem an­tes cum­prir me­ta­de da pe­na im­pos­ta. A li­ber­da­de pro­vi­só­ria pa­ra os au­to­res de cri­mes con­tra a or­dem tri­bu­tá­ria so­men­te se­rá con­ce­di­da me­di­an­te fi­an­ça que não po­de­rá ser in­fe­ri­or ao pre­ju­í­zo da­do aos co­fres pú­bli­cos. Diz o pro­je­to que, mes­mo quan­do não hou­ver pri­são em fla­gran­te, o ju­iz po­de­rá de­cre­tar a pri­são pre­ven­ti­va do réu, in­de­pen­den­te­men­te da exis­tên­cia dos re­qui­si­tos do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal

Em um dos pro­je­tos, o se­na­dor pro­põe o fim da nor­ma pe­la qual o so­ne­ga­dor ou frau­da­dor fis­cal que res­sar­cir o erá­rio an­tes do re­ce­bi­men­to da de­nún­cia cri­mi­nal fi­ca li­vre de pu­ni­ção e ou­tro es­ta­be­le­ce con­di­ções pa­ra a pro­gres­são de pe­na. Den­tro do pa­co­te, há tam­bém um pro­je­to que agra­va a pe­na do cha­ma­do “do­lei­ro”, que exer­ce fun­ção de ope­ra­dor de câm­bio sem au­to­ri­za­ção. Em ca­so de la­va­gem de di­nhei­ro, o se­na­dor pro­põe au­men­tar as pe­nas e o va­lor da fi­an­ça e, ou­tro pro­je­to, mu­da as con­di­ções em que po­de­rá ser de­cre­ta­da a pri­são pre­ven­ti­va dos sus­pei­tos de cor­rup­ção.

O se­na­dor De­mós­te­nes Tor­res pro­põe tam­bém au­men­tar os pra­zos de pres­cri­ção dos cri­mes e as pe­nas pa­ra os cri­mes do co­la­ri­nho bran­co. Os dois já fo­ram apro­va­dos no Se­na­do.

Na opi­ni­ão do se­na­dor, o pro­je­to do pre­si­den­te Lu­la não au­men­ta a pe­na pa­ra os cri­mes de cor­rup­ção e ape­nas di­fi­cul­ta a pu­ni­ção. O se­na­dor con­si­de­ra es­te um óti­mo mo­men­to pa­ra se dis­cu­tir mais am­pla­men­te a cor­rup­ção no Bra­sil. “A Po­lí­cia Fe­de­ral es­tá agin­do com mais au­to­no­mia e am­pliou seu qua­dro de fun­cio­ná­rios e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co vem agin­do com mais efi­ci­ên­cia.” E, se­gun­do o se­na­dor, se­rão ne­ces­sá­rios ins­tru­men­tos mo­der­nos pa­ra co­lo­car em dis­po­ni­bi­li­da­de os bens dos cor­rup­tos, pren­dê-los e man­tê-los na ca­deia. “Se­não fi­ca a sen­sa­ção que o cri­me com­pen­sa.” Ele lem­bra que a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) com­pa­ra o Bra­sil aos paí­ses de ter­cei­ro mun­do em re­la­ção à cor­rup­ção.

Se­gun­do da­dos da Tran­spa­rên­cia Bra­sil, o PIB do Bra­sil cor­res­pon­de à me­ta­de de to­da a Amé­ri­ca La­ti­na e o Ca­ri­be, ex­ce­tu­an­do o Mé­xi­co. Con­tu­do, o ín­di­ce de Gi­ni do pa­ís é dos pi­o­res do mun­do; os 20% si­tu­a­dos no to­po da pi­râ­mi­de de ren­da são res­pon­sá­veis por mais de 60% do con­su­mo to­tal, ao pas­so que os 20% in­fe­rio­res con­so­mem ape­nas 2,5%. As dis­pa­ri­da­des bra­si­lei­ras nos ter­re­nos so­ci­al e eco­nô­mi­co re­fle­tem-se di­re­ta­men­te nos ins­tru­men­tos dis­po­ní­veis pa­ra o com­ba­te à cor­rup­ção.

Pacote anticorrupção do senador Demóstenes Torres

Na Co­mis­são de Cons­ti­tu­i­ção, Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia (CCJ)

PLS 438/03 — au­men­ta as pe­nas pa­ra os cri­mes de cor­rup­ção e es­ta­be­le­ce a obri­ga­to­ri­e­da­de do re­gi­me ini­ci­al fe­cha­do pa­ra o cum­pri­men­to da pe­na aos con­de­na­dos pe­los cri­mes mais gra­ves.

PLS 442/03 — au­men­ta as pe­nas pa­ra os cri­mes con­tra a or­dem tri­bu­tá­ria e es­ta­be­le­ce a obri­ga­to­ri­e­da­de do re­gi­me ini­ci­al fe­cha­do pa­ra o cum­pri­men­to da pe­na (Os so­ne­ga­do­res não po­de­rão pro­gre­dir de re­gi­me ou ob­ter o li­vra­men­to con­di­cio­nal sem an­tes cum­prir me­ta­de da pe­na im­pos­ta e a li­ber­da­de pro­vi­só­ria pa­ra os au­to­res so­men­te se­rá con­ce­di­da me­di­an­te fi­an­ça no va­lor da van­ta­gem au­fe­ri­da)

PLS 440/03 — aca­ba com a nor­ma pe­la qual o so­ne­ga­dor ou frau­da­dor fis­cal que res­sar­cir o erá­rio an­tes do re­ce­bi­men­to da de­nún­cia cri­mi­nal fi­ca li­vre de pu­ni­ção.

PLS 524/03 — agra­va a pe­na im­pos­ta a quem exer­ce ile­gal­men­te a ati­vi­da­de de ope­ra­dor de câm­bio (do­lei­ro).

Na Co­mis­são de As­sun­tos So­ci­ais (CAS)

PLS 496/03 — es­ta­be­le­ce con­di­ções pa­ra a pro­gres­são do re­gi­me de cum­pri­men­to de pe­na pri­va­ti­va de li­ber­da­de

Na Co­mis­são Es­pe­ci­al In­ter­na do Se­na­do

PLS 479/03 — mu­da as con­di­ções em que po­de­rá ser de­cre­ta­da a pri­são pre­ven­ti­va

PLS 437/03 — au­men­ta as pe­nas e o va­lor da fi­an­ça no ca­so de la­va­gem de di­nhei­ro

Apro­va­dos no Se­na­do

PLS 474/03 — au­men­ta os pra­zos de pres­cri­ção dos cri­mes pa­ra evi­tar a im­pu­ni­da­de

PLS 439/03 — au­men­ta as pe­nas pa­ra os cri­mes do co­la­ri­nho bran­co

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 238 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal