Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

02/03/2007 - Jornal da Cidade de Bauru Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Banco desmascara falso promotor

Por: Luciana La Fortezza


A gerente de uma agência da Nossa Caixa de Bauru desmascarou ontem pela manhã um falso promotor de Justiça aposentado. Ela acionou a Polícia Militar (PM) quando Augustus César Villamarin, 42 anos, passou pelo banco. Detido, ele foi levado ao 3.º Distrito Policial, prestou depoimento e foi liberado. Responderá, no entanto, por falsa identidade e documento falso.

Para a polícia, ele estaria preparando um golpe. Há seis meses, Villamarin abriu conta na agência e forneceu uma falsa declaração de renda, pela qual se passava por promotor de Justiça aposentado. “Depois, movimentou a conta normalmente, sem provocar prejuízo (à instituição)”, informa o titular do 3º DP, Abel Cortez.

Mas começou a levantar suspeitas, em meados de fevereiro, quando procurou a Nossa Caixa para reclamar de supostos saques fraudulentos em sua conta. No total seriam três: um de R$ 15,00 e dois de R$ 200,00. A partir da queixa, a gerente passou a investigar o caso e, ao verificar os dados dele, notou que Villamarin não dispunha de conta-salário no banco.

A situação provocou estranheza porque os servidores públicos recebem seus proventos pelo banco. Por cautela, a funcionária bloqueou a conta dele e solicitou o holerite mais recente. O documento não foi apresentado. Ontem, porém, Villamarin voltou à instituição para negociar o desbloqueio da conta. Enquanto estava na agência, a PM foi acionada.

Arrependimento

Ainda no banco, ele reiterava ser promotor de Justiça aposentado. Depois, na delegacia, desmentiu e disse estar arrependido. O contexto caracteriza falsa identidade, delito de menor potencial ofensivo, cuja pena prevista é de três meses de detenção. Ele assinou um documento e terá de se apresentar em juízo.

Também responderá por falsidade ideológica por ter apresentado, há seis meses, o falso documento de Imposto de Renda (IR). A pena prevista para o crime é de um a cinco anos de reclusão. “Pela experiência que a gente tem, ele poderia estar se preparando para dar um golpe, mas não houve tempo”, explica Cortez.

De acordo com o delegado, o primeiro passo do estelionatário é ganhar a confiança da vítima. Não à toa, a movimentação da conta de Villamarin era normal. Depois, provavelmente, ele iria requerer empréstimo. Durante o inquérito instaurado, o delegado também vai apurar se o falso promotor já chegou a praticar algum golpe.

A Polícia Civil apreendeu documentos pessoais dele, mas durante revista em sua casa, nada de suspeito foi encontrado ou apreendido. Eventuais vítimas devem procurar o 3.º DP pelo telefone (14) 3224-2622.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 1553 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal