Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

25/02/2007 - Olhar Direto Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

O STF pode aliviar pressão sobre corruptos de alto coturno

Por: Enock Cavalcanti


Quem nos chamam a atenção é a Veja:

Processos contra políticos acusados de desviar recursos podem ser anulados

O Supremo Tribunal Federal vai definir nesta semana o destino de milhares de processos que tramitam contra administradores públicos envolvidos em corrupção e desvio de dinheiro. Estarão atentos ao veredicto figuras como o ex-ministro José Dirceu, o deputado Paulo Maluf, o senador Joaquim Roriz, o ex-presidente Fernando Collor, o ex-governador Orestes Quércia e centenas de prefeitos e ex-prefeitos acusados de surrupiar os cofres municipais. O STF vai decidir se autoridades que exercem cargos de natureza política poderão continuar sendo processadas por crime de improbidade administrativa -- uma figura jurídica criada em 1992 para dar celeridade à Justiça e permitir que administradores públicos corruptos fossem alcançados com mais facilidade. A questão é polêmica e o julgamento já se estende por quatro anos. A tendência é que os juízes decidam que a lei não pode ser aplicada contra agentes políticos. Ou seja: presidentes da República, ministros, governadores e prefeitos que se enredam em maracutaias não seriam mais atingidos pela lei. A conseqüência imediata da decisão seria a anulação de cerca de 10.000 processos de improbidade que existem hoje contra autoridades e ex-autoridades, incluindo aí aqueles que caminham para a punição dos personagens já citados.

"O Supremo está decretando a impunidade dos políticos deste país", adverte o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Rodrigo Collaço. A questão já está matematicamente decidida. Dos onze ministros do Supremo, seis já votaram contra a aplicação da Lei de Improbidade aos políticos. Apenas um foi a favor, e faltam quatro votos. Se todos os ministros que não se manifestaram se posicionarem contra a medida, ainda assim o placar seria favorável à proibição. A única alternativa para mudar o resultado é se um dos ministros reformar o voto, o que é normal, embora não muito freqüente. Se confirmada, além de funcionar como indulto a quem desviou dinheiro público, a decisão do Supremo ainda vai dificultar a abertura de processo contra autoridades, o que pode servir como um convite à corrupção. A Lei de Improbidade tem a virtude de permitir que um procurador da República de primeira instância ingresse com uma ação contra autoridades para reaver dinheiro público desviado, sem necessidade de autorização política ou prerrogativa de foro. Além disso, se condenada, a autoridade, além de ressarcir a quantia desviada, ainda pode perder os direitos políticos por até dez anos. "Se nem o rigor da lei inibiu as fraudes, imagine o que vai acontecer agora com essa quase-imunidade que está se dando aos políticos", diz José Carlos Cosenzo, presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público.

A discussão sobre a aplicação da Lei de Improbidade começou com uma reclamação do ex-ministro Ronaldo Sardenberg, condenado a devolver 20.000 reais à União por ter usado, em 1998, um avião oficial para fazer turismo na ilha de Fernando de Noronha. Sardenberg recorreu ao STF alegando que, como ministro, não poderia ser acionado por improbidade. Sem a Lei de Improbidade, o ex-ministro só poderia ser processado com autorização do Congresso Nacional e, se essa autorização fosse concedida, ele ainda teria direito a foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal. O seu crime não seria mais de improbidade administrativa, mas de responsabilidade. Nesse caso, muito provavelmente, já teria caído no esquecimento e o dinheiro gasto ilegalmente em turismo jamais seria devolvido. É esse caminho mais difícil para apanhar um mau administrador que deverá voltar a ser percorrido se a decisão do STF se confirmar. "A história da ação de improbidade é a história de improbidades", disse o ministro Gilmar Mendes, do STF, que votou a favor da tese defendida por Sardenberg. O que ele quis dizer é que os procuradores da República usam a lei de maneira abusiva. O próprio Mendes responde a duas acusações por improbidade do período em que era companheiro de Sardenberg no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 410 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal