Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

24/11/2009 - Diário do Pará Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Dupla que reproduzia exames do Detran é presa


Uma habilidade a serviço do crime. Essa é a história do desenhista Rubem Batista Silva Reis, de 50 anos. Ele e Celso Rodrigues Santana, 37 anos, foram presos no final da manhã de ontem por comercializarem cópias do exame “psicotécnico” do Detran, após uma ação bem sucedida dos policiamentos “Velado” e “Ordinário”, da 6ª ZPol, do 2º Batalhão da Polícia Militar.

Depois de algumas horas de observação pela avenida Antônio Barreto, próximo ao posto avançado do Detran, no bairro do Reduto, em Belém, policiais disfarçados os identificaram, para que, posteriormente, uma equipe comandada pelo capitão Vicente Neto efetuasse a prisão em flagrante. “Eles ainda tentaram resistir à abordagem. O Ruben quis rasgar os papéis, mas de nada adiantou”, comentou o capitão.

Rubem já foi funcionário do Detran entre 1980 e 2005, sendo afastado e reintegrado por duas vezes. O seu último afastamento, em 28 de abril de 2005, foi sob a justificativa de “bem ao serviço público”, o equivalente à demissão por justa causa, em empresas privadas.

Segundo a delegada Virgínia Gerimwood Pinto, diretora da Seccional do Comércio, Rubem – com a ajuda de seus comparsas – valia-se do fato de ser ex-funcionário e desenhista para reproduzir cópias grosseiras dos exames realizados pelo Detran, principalmente com relação aos desenhos. Além disso, ele abordava as pessoas que aguardavam na fila para lhes oferecer informações sobre o exame.

Em conversa com a equipe do DIÁRIO DO PARÁ, Rubem não se acanhou em alegar que é vítima de perseguição política. “Isso é armação do Carlos Valente, marido da psicóloga Patrícia, da clínica do Detran. Ele é quem está por trás disso tudo, porque ele não gosta de mim”, afirmou Rubem.

Rubem também não titubeou ao dizer que executava esse tipo de serviço há 5 anos e não cobrava nada pelas informações que repassava. “Eu apenas atendia às pessoas que me pediam favores. Se eu cobrasse, eu estava rico”, argumentou. Por outro lado, a delegada Virgínia Gerimwood Pinto informou que ele cobrava entre R$ 10,00 e R$ 50,00 pela troca de informações. Por fim, Rubem e Celso afirmaram que prestavam serviços a uma autoescola. Rubem como panfleteiro e Celso como intermediador de matrículas.

Os dois foram autuados no artigo 171 do Código Penal Brasileiro, por estelionato (induzir pessoas ao erro), que prevê pena de 1 a 5 anos de reclusão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 227 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal