Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


ÚLTIMOS TREINAMENTOS DE 2018 SOBRE FRAUDES E FALSIFICAÇÕES
Veja AQUI programação e promoções dos últimos treinamentos de 2018 da DEALL R&I
sobre Fraudes e Falsificações nos dias 14, 22 e 29 de novembro.


AFD SUMMIT
A maior Conferência de Investigação Corporativa & Perícia Forense da América Latina.
São Paulo dias 08-09 de dezembro de 2018


Acompanhe nosso Twitter

05/11/2009 - Zero Hora / A Notícia Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Três empresários de Joinville são presos por suspeita de sonegação

Eles são suspeitos de criar falsas microempresas para sonegar impostos e fraudar licitações.

Três empresários de Joinville foram presos temporariamente, na manhã desta quinta-feira, em investigação que apura suspeita de formação de quadrilha, crimes contra a ordem tributária e crimes contra a administração pública.

Segundo informações do Ministério Público de Santa Catarina, os empresários são sócios de um grupo formado inicialmente na Bahia, e com empresas também em Sergipe, suspeito de criar falsas microempresas para sonegar impostos e fraudar licitações.

Denominada "Operação Plástico", a ação acontece nos três Estados, nos quais estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em cinco empresas. Dois empresários também foram presos temporariamente em Aracaju (SE) e outros dois em Lauro de Freitas (BA). As prisões temporárias e os mandados de busca e apreensão foram deferidos pela justiça baiana.

As investigações demonstram que o grupo criava falsas microempresas, em nome de "laranjas", para a fabricação e comercialização de caixas protetoras para medidores de energia elétrica e de caixas para hidrômetros. Oferecendo preços reduzidos, em razão de operação que sonegava 70% do valor do tributo, as microempresas tinham como alvo licitações de concessionárias de energia elétrica no Rio de Janeiro, Sergipe, Bahia, Rio Grande do Norte e Ceará.

Há suspeita também de um esquema de caixa dois, pois valores de faturamento do grupo, não declarados, eram depositados numa conta-corrente de uma empresa do grupo que se encontrava como inativa (cancelada) no cadastro da Secretaria Estadual da Fazenda da Bahia.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 249 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Divulgação





NSC / LSI
Copyright © 1999-2018 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal