Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

04/11/2009 - O Dia Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia Civil faz operação para desmontar quadrilha que fraudava licitações


Rio - A Polícia Civil, através do Núcleo de Combate à Corrupção e a Lavagem de Dinheiro (NUCC-LD), fizeram operação nesta quarta-feira para desmontar uma quadrilha suspeita de fraude de milhões de reais em licitações no estado do Rio. Cerca de 120 homens de delegacias especializadas dão apoio ao núcleo para que sejam cumpridos 28 mandados de busca e apreensão em empresas e imóveis do grupo. Esta é a primeira grande operação do NUCC-LD, criado há um ano para investigar crimes conhecidos como de 'colarinho branco'.

A operação, batizada de 'Monopólio', foi realizada nas Zonas Norte e Sul, Região Oceânica de Niterói e Centro. O responsável por uma das empresas que burlava as licitações morava em Itaipuaçu.

Os policiais encontraram quilos de documentos em computadores de empresas e imóveis da quadrilha. De acordo com as autoridades, o prejuízo chega a milhões de reais. No total, 24 obras públicas estão sendo investigadas - entre elas a do Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, Zona Oeste Rio, além de uma no prédio da própria Polícia Civil.

A investigação começou com a comissão de licitação da Polícia Civil, que passou a investigar seus próprios contatos - cerca de dez empresas supostamente concorrentes nas licitações eram, na verdade, comparsas. Seus donos dividiam o dinheiro quando uma das empresas saía vencedora do processo. O trabalho foi estendido a outros órgãos, assim como nas escolas e na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e, após minuciosa pesquisa, os investigadores suspeitaram da criação de m cartel entre as empresas.

As investigações da Polícia Civil mostram também que os empresários tinham a ajuda de servidores públicos e ainda superfaturavam as obras em 10% e 20% de seus valores originais. Os empresários vinham sendo monitorados por escutas telefônicas com autorização da Justiça. O esquema funcionava, aparentemente, desde 200.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 171 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal