Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

28/01/2007 - Folha de Londrina Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Notas fiscais do Brasil vendidas no Paraguai


Ciudad Del Este- Em Ciudad Del Este, no Paraguai, o comércio de notas fiscais de empresas brasileiras é feito livremente nas ruas. Pode-se escolher entre dezenas de empresas importadoras de praticamente todos os Estados. Se quiser, o contrabandista compra um bloco inteiro. As notas são usadas por criminosos para ''legalizar'' as mercadorias contrabandeadas e vendidas pela Internet no Brasil. Elas servem para enganar fiscais nas blitze da Receita Federal e para justificar a entrada de equipamentos importados pelas lojas virtuais fraudulentas. Quando a Receita percebe a fraude, já é tarde: as lojas estão fechadas. Além dos blocos, é possível comprar por R$ 15,00 declarações oficiais de bagagem que são entregues na aduana, para comprovar as compras. Da mesma maneira, as declarações servem para enganar policiais rodoviários e agentes fiscais nas blitze nas estradas. As declarações vêm com carimbo e selo da Receita. Além dos compradores, há outras vítimas da fraude. Em Ribeirão Preto, a doméstica Sônia Maria Oliveira já se acostumou a receber telefonemas de pessoas de todo o Brasil perguntando se o número do telefone da sua casa, no Jardim Santa Ângela, é o da Compumicro Limitada. A empresa é uma das que tiveram as notas fiscais falsificadas vendidas em Ciudad Del Este para que contrabandistas esquentem produtos. ''Ligam do Rio, Santa Catarina, de todos os lugares.'' A reportagem teve acesso a outra nota fria, de número 07258, com três vias. Consta como endereço da Compumicro a Vila Seixas, também em Ribeirão. Mas a empresa nunca funcionou no local. Há seis anos o imóvel é sede da Rivitec, especializada em consertos de computadores. ''Aqui já apareceram agentes da PF, mas depois eles descobrem que se trata de endereço errado'', diz Rodrigo José Tunes, funcionário da Rivitec. Segundo o site da Receita, a Compumicro está com o cadastro suspenso desde 1º de dezembro de 2005. E não há endereço ou telefone que possa identificá-la.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 550 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal