Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

22/09/2009 - G1 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Prejuízo com remédios roubados em SP chega a R$ 3 milhões, diz delegado

Remédios foram encontrados em unidade particulares de saúde. Empresas de fachada eram usadas para emitir notas falsas do produto.

O valor dos medicamentos desviados de hospitais públicos de São Paulo que foram encontrados em duas unidades de saúde privadas na capital paulista nesta terça-feira (22) é estimado em R$ 3 milhões, de acordo com o delegado Anderson Pires Giampaoli, do Departamento de Polícia de Proteção da Cidadania (DPPC).

A Polícia Civil abriu mais dois inquéritos para apurar o caso depois que fiscais da Vigilância Sanitária encontraram dez caixas de Mabthera - remédio oncológico vendido por até R$ 6 mil, a caixa, para a rede estadual - no Fleury Hospital Dia. Outra caixa foi achada em uma clínica oncológica em Higienópolis, na região central. Na manhã de segunda-feira (21), os policiais voltaram à clínica e apreenderam mais cinco caixas de Mabthera e três de outros remédios.

O esquema de roubo e desvio de medicamentos é investigado na Operação Medula, que prendeu nove pessoas na sexta-feira (18). Segundo o delegado, as empresas Garden Farma, de Sorocaba, e Armazém Central de Medicamentos, de Santos, eram responsáveis por passar os medicamentos roubados para o mercado legal. “Eram as distribuidoras usadas pela quadrilha para esquentar os medicamentos.”

De acordo com Giampaoli, os medicamentos desviados iam para as empresas de distribuição que forjavam notas fiscais para os produtos e revendiam para clínicas e hospitais como mercadoria legal, com outra nota fiscal. As duas empresas são de propriedade de duas mulheres já presas em flagrante no início da operação. Elas responderão por falsificação de medicamento, receptação dolosa e crime contra relação de consumo. Se condenadas, as duas pegarão no mínimo dez anos de prisão.

A polícia fará agora uma contagem mais detalhada e verificação de origem dos medicamentos apreendidos. “Tem medicamento do Iamspe [Instituto de Assistência Médica do Servidor Público Estadual], do Ministério da Saúde, da Secretaria de Estado da Saúde”, diz o delegado. A polícia também investiga para onde os medicamentos eram vendidos, além dos dois locais já descobertos.

Outro lado

A direção do Fleury Hospital Dia informou, por meio de nota oficial, que desconhecia qualquer "prática de distribuição ilegal de medicamentos". A empresa informou ainda que tem cadastro comercial do fornecedor, "bem como toda a documentação que indicava que a operação de compra do lote do medicamento Mabthera era rigorosamente legal, dentro do preço praticado no mercado". O texto conclui informando que, "assim que soube do fato ocorrido, o Fleury Hospital Dia se colocou à inteira disposição das autoridades para que o caso seja devidamente apurado e esclarecido".

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 303 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal