Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

26/01/2007 - 24 Horas News / Folha de SP Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Mulher do deputado Lino Rossi é acusada de fraude pelo MP


O Ministério Público de Mato Grosso pediu a indisponibilidade dos bens de uma empresa de Querli Batistello, mulher do deputado federal Lino Rossi (PP-MT), acusado de participação na máfia dos sanguessugas.

O pedido se baseia em investigações da Câmara Municipal de Luciara (1.163 km de Cuiabá), que indicaram que a empresa venceu uma licitação fraudulenta para fornecer produtos hospitalares à cidade.

Também foi pedida a indisponibilidade dos bens do prefeito de Luciara, Nagib Elias Quedi (PP), e de outros três servidores públicos municipais suspeitos de terem articulado a suposta fraude.

As ações do Ministério Público são pedidos de liminares, incluídos na ação de improbidade administrativa movida contra o prefeito e a empresa. Os pedidos visam garantir o ressarcimento dos prejuízos ao erário.

As investigações em Luciara foram feitas por meio de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), cujo relatório foi enviado para a Procuradoria.

Nela, os vereadores concluíram que a Batistello & Batistello (empresa da mulher de Rossi), além de ser a única participante da licitação, não demonstrou idoneidade financeira. Ela tinha apenas R$ 30 mil de patrimônio, valor muito inferior ao do contrato (R$ 581,5 mil).

A comissão também apontou que a empresa não entregou todos os equipamentos que deveria. Dois aparelhos hospitalares, que somavam R$ 200 mil, não chegaram à prefeitura.

Semelhança

Em depoimento à Justiça Federal em junho do ano passado, Luiz Antonio Vedoin, um dos chefes da máfia, apontou negociação semelhante em Luciara.

À época, ele disse que Noriaque Magalhães (preso na Operação Sanguessuga) realizou um projeto para o município, em favor do qual existia uma emenda de Lino Rossi no valor de R$ 650 mil, cuja licitação foi vencida por uma empresa da mulher de Rossi.

A maior parte do dinheiro que possibilitou a licitação agora questionada pelo Ministério Público (R$ 565 mil) também foi repassada pela União. Outros R$ 16,5 mil foram fornecidos pela prefeitura.

A Folha não conseguiu localizar hoje Querli Batistello. No gabinete de Rossi, um assessor informou que ele estava viajando. Rossi nega ser beneficiário da máfia.

A reportagem deixou recado na casa do prefeito Nagib Elias Quedi em Luciara, que não retornou as ligações.

Jaciara

Valdizete Nogueira (PPS-MT), outro suposto beneficiado com a máfia dos sanguessugas e ex-prefeito de Jaciara (151 km de Cuiabá), foi indiciado anteontem pela Polícia Federal por formação de quadrilha e corrupção passiva.

Em depoimento à PF, ele afirmou que recebeu R$ 7 mil, legalmente, da Klass (empresa envolvida com a máfia) e que se encontrou com o atual prefeito de Piracicaba e ex-ministro da Saúde, Barjas Negri (PSDB), para tratar da construção de um hospital municipal.

O advogado de Nogueira negou que seu cliente tenha se beneficiado com o esquema.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 421 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal