Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

21/09/2009 - 24 Horas News Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MT perde R$ 76 milhões com vendas pela internet e redes de TV


A venda direta ao consumidor final pela internet e canais de venda pela televisão estão sendo apontadas como grandes vilãs da evasão fiscal em Mato Grosso. Segundo cálculos da Secretaria de Fazenda, o Estado estaria perdendo por ano em torno de R$ 76 milhões e a culpa está na falta de regulamentação atualizada para o chamado "comércio não presencial".

Dos R$ 76 milhões de perda, o Fisco estadual acredita que o atual sistema de tributação possibilita uma eficiência fiscal de apenas 60%. Ou seja, 40% das transações de venda direta ao consumidor final não recolhem imposto, às vezes ‘esquentando’ mercadorias oriundas de contrabando com documentação falsa. Na prática, são produtos que não oferecem garantia ao consumidor e não ofertam recursos tributários nem mesmo ao Estado de origem.

Os números das perdas foram atualizados monetariamente a partir do estudo realizado no âmbito da Comissão Técnica Permanente do ICMS, ligada ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz)

A reforma tributária que está em tramitação no Congresso Nacional aborda o tema, estipulando que o Estado de origem da mercadoria deve ficar com 2% do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) e o Estado de destino, a diferença da alíquota. Atualmente, toda tributação fica no Estado de origem.

Mato Grosso já apresentou junto ao Confaz uma proposta que regulamenta o tema, uma divisão dos tributos entre o Estado de origem e o Estado de destino. O maior controle dificultaria as fraudes. São Paulo, um dos entes da federação mais interessados na solução do problema, se posicionou favorável à proposta da Sefaz-MT, porém, a incluiu em um bojo de outras propostas. Na proposta paulista, o Estado de origem fica com 4% do ICMS, e o Estado de destino fica com o restante.

Tentando solucionar ainda internamente a questão, São Paulo possui em tramitação em sua Assembleia Legislativa um projeto de lei que obriga as empresas que fazem venda não presencial direta ao consumidor final a entrarem no regime de substituição tributária prévia. As empresas devidamente inscritas naquele Estado, se aprovada a lei, passarão a recolher o ICMS antes do envio da mercadoria. O pagamento seria junto aos Correios no ato da postagem.

Entre as propostas paulistas ainda está a convalidação dos incentivos fiscais praticados pelos Estados no intuito de atraírem empresas e gerarem empregos dentro de seus territórios. Na prática, seria uma validação do atual cenário de incentivos, garantindo maior segurança jurídica a todos os Estados e beneficiando a população com a manutenção dos empregos dentro das empresas incentivadas. A proposta também disciplina as operações de importação por conta e ordem.

“Nós nos posicionamos favoráveis ao conjunto de propostas apresentadas por São Paulo. O que estamos discutindo no Confaz é uma antecipação da Reforma Tributária, dando mais praticidade e agilidade à legislação tributária. A atual legislação não acompanhou as mudanças que as tecnologias trouxeram, como a internet. Portanto, é preciso rapidamente se realizar novos convênios e leis para garantir justiça aos cofres públicos de todos os Estados”, defendeu o secretário de Fazenda de Mato Grosso, Eder Moraes.

Porém, a situação não deve ser resolvida facilmente. Para a aprovação no Confaz é necessário unanimidade entre os Estados. A proposta em conjunta defendida por São Paulo traz entre seus pontos assuntos que não vão ao encontro do interesse de outros Estados. “Na verdade é importante destacar que São Paulo está ciente da injustiça fiscal que está acontecendo com o comércio direto, o comércio via internet, telefone, onde os empregos gerados pelo dinheiro de nossa população vão para outros Estados, levando ainda junto os impostos e consequentes benefícios sociais”, afirmou Moraes.

Devido a maturidade do tema, a Secretaria de Fazenda irá apresentar isoladamente a proposta substitutiva sobre o comércio direto ao consumidor final, com as regras já aceitas por São Paulo e a maioria dos Estados, novamente no Confaz. A próxima reunião será realizada nesta sexta-feira (25.09), em São Luiz, no Maranhão.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 292 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal