Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/09/2009 - PC Magazine Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Fraudes internas nas empresas

Por: Fernando Souza Filho


Fraude nas empresas sempre foram um problema corporativo sério. Na era da tecnologia, já existem ferramentas para prevenção, mas ainda não foi criado um aplicativo contra o mau-caratismo. Dados sobre fraudes corporativas que aparecem para o mercado são de empresas que admitem ter sofrido um golpe, mas se estima que, para cada caso relatado, ao menos outros cinco tenham ocorrido.

Para que essa quantificação fosse mais correta, seria preciso criar um fórum que acolhesse empresas para compartilhar essas ocorrências e discutir ações preventivas de forma a promover uma maior conscientização da sociedade empresarial como um todo quanto à gravidade e a evolução do problema, segundo Ricardo Castro, Coordenador de Auditoria Interna no grupo Hamburg-Süd e Vice-Presidente da ISACA-SP.

Segundo estudo da ACFE (Association of Certified Fraud Examiners), organizações americanas perderam estimados 7% de receitas anuais em fraudes internas durante 2008. Baseado no PIB americano, isso representa US$ 994 bilhões. Já no Brasil, a última pesquisa feita sobre fraudes internas é de 2004, realizada pela KPMG.

Os setores naturalmente vulneráveis a fraudes são os que concentram movimentações financeiras: financeiro (Contas a Pagar, Contas a Receber e Tesouraria), compras/contratação de serviços e mesmo RH.

Os colegas são os primeiros a descobrir

Na maioria dos casos, diz Castro, colegas diretos do fraudador são os primeiros a descobrir. Em vez de denunciarem, optam pelo silêncio. Quando o caso chega à direção, se ela não tiver uma estrutura capaz de comprovar a fraude, a única opção é mandá-lo embora sem justa causa. A ineficácia em punir o infrator deixa uma mensagem perigosa para seus colegas: a de que realmente vale a pena praticar atos ilegais.

Além do espólio desviado, o artífice fica com os benefícios trabalhistas e muitas vezes sai com um cargo garantido na empresa que participou do conluio para a fraude.

“Já acompanhei casos em que um fraudador usou notas frias de uma outra empresa para fraudar seu empregador – foi pego, demitido, e contratado pela empresa que participou do desvio. Deve ter sido uma bela surpresa para os seus novos empregadores descobrir que ele passou a roubar deles também”, conta Castro.

Outros casos, como o de um estagiário que tinha a faculdade paga pelo gerente financeiro de uma empresa que, mais tarde, descobriu ser vítima deste mesmo estagiário, alertam para o fato de que muitas empresas ainda estão pouco preparadas para enfrentar a situação.

“Em diversas situações o fraudador é uma pessoa querida no departamento, acima de qualquer suspeita”, alerta ele. “Reina um sentimento de impunidade, que é global, pois o crescimento do volume de fraudes não é acompanhado pelo contingente destacado para combatê-las.”

A informatização das rotinas financeiras, e conseqüentes implantações de controles, têm funcionado para coibir irregularidades. Mas a má implantação de sistemas acaba gerando lacunas de controle que são exploradas por fraudadores.

Novas ferramentas, novos softwares proporcionam uma inteligência nesse processo, trazendo pontos de verificação que são cruciais. Mas não se pode dispensar uma equipe de consultoria para customizar esse serviço às plataformas específicas utilizadas pela empresa.

Sistema de TI atuando na prevenção

No sentido da prevenção, um sistema de TI precisa ser implantado em conjunto com uma análise de processos e avaliação de riscos. Sem esse arcabouço, muitas empresas terão dificuldades na implantação de controles por não estarem preparados para a identificação de riscos.

“É muito tênue a diferença de controle e burocracia. Um controle deve atender à redução de exposição a uma ameaça. Sem uma avaliação de riscos a possibilidade de se criar controles excessivos ou faltantes é muito grande”, diz.

A opção por implantar uma solução que seja mais rápida aos usuários, por exemplo, pode significar aumento dos riscos. Já para detectar irregularidades, é preciso estabelecer pontos de controle em itens críticos para que uma revisão dos números finais possa identificar por completo as exceções suspeitas.

“Não basta gerar um alerta para um desconto acima do normal, é preciso identificar quem o concedeu, de qual máquina, em que horário, além de outros fatores que possam ser usados judicialmente para comprovar o desvio e identificar seu autor.”

Na maioria das empresas não existem profissionais qualificados para investigar fraudes. Nesse sentido, Castro prevê o aumento na demanda por profissionais especializados em perícia forense digital.

“É uma disciplina que está tomando corpo, mas, atualmente, são poucos os profissionais formados com esse perfil. A maior parte dos abusos são cometidos por meio de computadores, é lá que estão as provas. E mesmo a profissionais com elevado conhecimento técnico de informática falta o conhecimento jurídico para produzir as provas de um desvio.”

Qual é o perfil médio do fraudador

Geralmente, o fraudador tem um perfil jovem (26 a 40 anos), com mais de 8 meses de empresa. Tem ótima aptidão interpessoal, apresenta sinais de enriquecimento súbito (carro novo, roupas de grife) e geralmente é do sexo masculino. No Brasil, há menos denúncias de fraudes cometidas por mulheres em comparação com outros países como EUA e Europa

Alguns sinais podem ser observados para dar indícios de que um fraudador está agindo:
- Funcionários com mais de uma linha de reporte – que respondem a mais de uma chefia ou a chefias cambiantes;
- Excesso de horas extras, mesmo que não remuneradas;
- Comportamentos anormais, como acesso excessivo a contas correntes;
- Funções centralizadas em pessoas e não em processos;
- Pessoas que acumulam tarefas;
- Segregação de funções mal definidas;
- Inexistência de limites de alçada.

Ricardo Castro irá aprofundar métodos de prevenção a fraudes em palestra no 18º CNASI – Congresso de Auditoria em TI, Segurança da Informação e Governança, realizado entre os dias 22 e 24 de setembro em São Paulo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 423 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal