Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

18/09/2009 - Diário Catarinense Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

R$ 50 milhões em suspeitas

Donos de distribuidora do Oeste teriam autorizado funcionários a desenvolverem um programa financeiro paralelo para não pagar impostos.

Uma das principais empresas de Chapecó é alvo de investigação da Secretaria da Fazenda e do Ministério Público de Santa Catarina. A suspeita é de um esquema de sonegação que pode ultrapassar R$ 50 milhões.

Na manhã de ontem, uma força-tarefa composta por 54 policiais civis, militares, rodoviários, Departamento Estadual de Investigações Criminais, Agência Central de Inteligência, Núcleo de Operações Especiais, Ministério Público e Secretaria Estadual da Fazenda cumpriram seis mandados de busca e apreensão e duas prisões temporárias.

O alvo foi o atacado e distribuidor Tozzo e Cia, premiado como melhor atacadista de Santa Catarina em 2004, 2007 e 2008, além de ter o maior faturamento no Estado, de 2004 a 2007, segundo a Associação Brasileira dos Distribuidores.

Um dos diretores da empresa, Ivalberto Tozzo, é presidente em exercício do Sindicato do Comércio Varejista de Chapecó. A ação causou surpresa na cidade. Os dois programadores que tiveram prisão temporária decretada acabaram liberados depois dos depoimentos.

De acordo com o promotor regional de Combate aos Crimes Tributários, Fabiano Baldissarelli, os dois teriam desenvolvido, a pedido dos proprietários da empresa, um programa de controle financeiro paralelo ao que era informado ao fisco. Isso permitia pagar menos impostos, o que caracteriza crime financeiro.

Baldissarelli disse que a investigação envolve clientes nos três estados do Sul, que se beneficiavam com o esquema. Ele afirmou que os supermercados também devem ser alvo de investigação. Sete caixas de documentos e cópias de arquivos foram apreendidas na Tozzo.

Se a fraude for comprovada, os responsáveis podem responder por crime tributário e formação de quadrilha. Há suspeita de lavagem de dinheiro e alteração no vencimento dos produtos. O inquérito deve ser concluído em 30 dias.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 536 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: paulocesarrigonposser - 15/05/2013 21:09

pois trabalhei nesta empresa durante 6 anos fui mandado embora doente sem reseber fgts pois afirnaram que o ero era da caixa ecomonica federal.



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal