Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

05/09/2009 - folhabnet.com.br Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Procon orienta sobre práticas abusivas nas formas de pagamento


Por lei, a única forma de pagamento que os fornecedores são obrigados a aceitar em todo país é a moeda corrente nacional. Se essa for a opção do vendedor, o consumidor deve ser avisado ao entrar no estabelecimento. Já os cheques e os cartões de crédito não possuem nenhuma obrigação legal de serem aceitos pelas empresas. Entretanto, quando um estabelecimento adota outras formas de pagamento, além de dinheiro em espécie, deve obedecer às regulamentações legais, impostas pelo Ministério da Justiça, alerta a Superintendência de Defesa do Consumidor (Procon-MT).

No caso dos cheques é considerada abusiva a exigência de tempo mínimo de abertura de conta para seu recebimento, prática esta caracterizada como discriminatória e ofensiva aos princípios da boa fé objetiva nas relações de consumo, conforme prevê o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Além disso, as empresas que fazem a consulta do nome do correntista aos órgãos de proteção ao crédito ou que exigem a abertura de cadastro para sua aceitação devem deixar esta informação de forma clara, precisa e ostensiva aos consumidores.

Já para a venda em cartões de crédito existem algumas normas impostas por meio de Notas Técnicas do Ministério da Justiça (MJ), entre elas a proibição da cobrança de preços diferenciados. Qualquer pagamento de juros (quando se tratar de uma única parcela) ou taxas relativas ao uso do cartão de crédito no estabelecimento é uma despesa do fornecedor, não podendo ser repassada ao consumidor.

Recentemente a Câmara de Deputados vetou o projeto que estabelecia preços variados para o pagamento no “dinheiro de plástico”. Os órgãos de defesa do consumidor comemoraram a vitória, já que acreditavam que a medida puniria os usuários desta modalidade de pagamento e só aumentariam os lucros das operadoras de cartão de crédito. Ao mesmo, a aprovação da lei não significaria a redução do preço do produto para quem pagasse com dinheiro.

DECRETO

Segundo o Decreto Federal nº 5.903/2006 todos os estabelecimentos devem precificar as mercadorias expostas no interior da loja, como forma de facilitar o acesso do consumidor aos valores cobrados pelas mercadorias, sem a dependência de um funcionário da empresa.

O decreto estipula que quando houver o parcelamento da compra, prática comum no setor de móveis e eletrodomésticos, na etiqueta de preços deve ser informado o valor à vista, número e a periodicidade das parcelas, juros, eventuais acréscimos e encargos, bem como o valor total a ser pago nas compras a prazo. Também é vedado o destaque exagerado somente para o preço da parcela. Estas medidas evitam que o consumidor seja induzido ao erro.

Para o segmento de bares e restaurantes, desde 2006, é obrigatório a divulgação do cardápio, com os valores de cada um dos pratos oferecidos, na entrada do estabelecimento, na parte externa. A medida visa assegurar o direito à informação, além de evitar qualquer tipo de constrangimento ao consumidor.

“O consumidor deve se precaver de fornecedores que insistem em infringir a Lei 8.078/90 (CDC). O Procon tem feito diversas autuações, em diferentes setores para coibir práticas abusivas às formas de pagamento e precificação de produtos e serviços, entre outras. Porém, o consumidor deve ficar atento e denunciar quando se sentir lesado em seus direitos”, ressalta o gerente de Fiscalização e Controle do Procon-MT, Ivo Vinicius Firmo.

Para mais informações procure o Procon Estadual, localizado na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, nº 917, no bairro Araés. O horário de atendimento do órgão, para registro de reclamações, é das 12h às 18h, de segunda a sexta-feira. Os telefones para informações ou dúvidas são 151 ou 3613 8500.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 245 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal