Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS



Promoção BLACK WEEK. Até o dia 02/12 valor promocional para o Treinamento sobre Fraudes Crédito e Comércio ! CLIQUE AQUI.


Acompanhe nosso Twitter

05/09/2009 - Paraná Online Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Justiça condena fraudadores do INSS em Araraquara


Nove pessoas, três delas funcionários públicos, foram condenados por ações de improbidade administrativa após praticar fraude de documentos no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em Araraquara, no interior de São Paulo.

Segundo a Justiça Federal, o grupo agia na agência da Previdência Social de Itápolis, também no interior do Estado, forjando registros com dados falsos sobre o tempo de serviço e o valor da contribuição de segurados para concessão de aposentadorias, causando um prejuízo de mais de R$ 455 mil à autarquia.

Foram condenados os servidores públicos Ernesto Antonio Puzzi (aposentado), Izildinha Aparecida Nunes Mercaldi e Marilei Aparecida Belucci Puzzi. Além deles, Franc'isco Luiz Madaro, Mauro José Vieira de Figueiredo Junior, Leine Batista Dulce, Aparecida Alice Tambarussi, Orival Grano e Dagoberto Vilela.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Ernesto, Izildinha e Marilei (funcionários do INSS) se associaram a Francisco. Ernesto estava aposentado e possuía um escritório; Francisco cedia uma sala para atendimento aos "clientes" e preenchia os documentos falsos. As duas mulheres trabalhavam na agência da autarquia em Itápolis, quando procuradas, encaminhavam os segurados para o escritório de Ernesto.

Para o MPF além do crime de estelionato praticado pelos réus e apurado em sete processos criminais ainda em andamento, eles também praticaram atos de improbidade administrativa. Por isso, nessa ação, pede a condenação cível de todos.

Os segurados beneficiados com as aposentadorias alegaram que foram vítimas, no geral que não sabiam que suas aposentadorias eram irregularmente concedidas. Francisco Madaro, que preenchia os documentos, alegou que não sabia se os beneficiários trabalharam ou não; Marilei e Izildinha, funcionárias do INSS, alegaram que nada juntaram ao seu patrimônio pessoal, e nem deram prejuízo efetivo ao INSS porque todos os valores foram devolvidos de uma só vez ou em parcelamento.

Em sentença determinada no último dia 31, a juíza federal Denise Avelar, da 1ª Vara da Justiça Federal em Araraquara, considerou as provas suficientes para demonstrar o envolvimento de todos os réus e assim condená-los por improbidade administrativa.

Ernesto perdeu a aposentadoria e Izildinha perdeu a função pública. Todos vão pagar multa e não poderão contratar com o poder público pelo prazo de dez anos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 293 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal