Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

23/08/2009 - O Estado de Minas Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Apreensão de remédios falsos aumenta 702%

Por: Maria Clara Prates


No primeiro semestre, foram apreendidas no país 316 toneladas de remédios falsificados, segundo o Ministério da Justiça. Recorde, o número é 702% maior do que o verificado ao longo de 2008. O órgão e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) são os principais responsáveis pelo combate à venda de medicamentos falsos, que é considerada crime hediondo e pode resultar em pena de até 15 anos de prisão.

Segundo balanço dos órgãos, foram realizadas neste ano 38 operações, em 108 estabelecimentos; 104 pessoas foram presas em flagrante. Grande parte dos remédios falsos apreendidos é destinada ao tratamento de disfunção erétil. Geralmente, os medicamentos vêm de países como Paraguai e Bolívia.

A Organização Mundial da Saúde estima que 10% de todo o medicamento consumido no mundo seja falsificado. O uso de remédio falso pode causar graves danos à saúde.

A constatação da Anvisa confirma a série de matérias Cura falsificada, do Estado de Minas/Correio Braziliense, que comprovou, recentemente, que comerciantes paraguaios estão entre os mais importantes fornecedores de medicamentos falsificados e sem registro, usando Foz do Iguaçu (PR) como entreposto para a distribuição em todo o Brasil.

Conforme o apurado na série Cura falsificada, de acordo com a Associação Brasileira de Combate à Pirataria, Ciudad del Este, no Paraguai, é a grande fornecedora de medicamentos falsificados e equipamentos médicos sem registro. Um negócio que encontra em 1 mil quilômetros de fronteiras – seca e de portos clandestinos no Lago de Itaipu e Rio Paraná –, todas as facilidades necessárias para prosperar, segundo as próprias autoridades brasileiras, que se sentem incapazes de fechar essa extensa porta.

Ainda de acordo com a série de matérias, diferentemente de organizações criminosas especializadas no tráfico de drogas e no contrabando de mercadorias importadas, o comércio ilegal de medicamentos e equipamentos médicos não tem uma estrutura formal. Nesse caso, é usado o esquema de transporte de outros grupos criminosos para fazer prosperar o seu cruel negócio, com custo zero. Essa fatia de comércio não tem um grande controlador e pode ser abocanhada por qualquer um, de acordo com o chefe da Delegacia de Polícia Federal, José Alberto Iegas0. Medicamentos como o Pramil – o famoso Viagra paraguaio – são produzidos em fabriquetas de fundo de quintal nas proximidades de Ciudad del Este, que podem desaparecer em um piscar de olhos e reabrir em outro local.

ALERTA Responsável pelo controle da venda de medicamentos e equipamentos médicos no país, a Anvisa está atenta também ao imponente Parque Industrial de Taiwan (PTI) instalado a apenas 20 quilômetros de Ciudad del Este – terceira maior zona franca do mundo, atrás apenas de Miami e Hong Kong –, que aponta como um centro de montagem de equipamentos importados, entre eles o aparelho de pressão, que está em todos os cantos da cidade paraguaia. (Com agências)

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 312 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal