Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

20/08/2009 - Revista Consultor Jurídico Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Médico é condenado por falsificar ficha de paciente


A Justiça Federal de Santa Catarina condenou, na quarta-feira (19/8), o médico Vilson Watte pelo crime de estelionato qualificado, previsto no artigo 171, parágrafo 3º, do Código Penal Brasileiro. O médico foi condenado à pena de um ano, seis meses e vinte dias de reclusão, em regime inicial aberto. A pena foi substituída por prestação de serviços à comunidade por igual período e prestação pecuniária de dez salários-mínimos.

Vilson também teve decretada a perda da função pública de médico do Sistema Único de Saúde pelo juiz Federal Wesley Schneider Collyer. Cabe recurso.

Segundo denúncia oferecida pela procuradora da República Maria Rezende Capucci, em 2005 Vilson fez constar na autorização para internação hospitalar de um paciente internado no Hospital e Maternidade Vitória Missen, em São Miguel do Oeste, procedimento cirúrgico que não foi feito. Ao fraudar a autorização, ele recebeu indevidamente recursos públicos pagos pelos SUS, segundo o MP.

O médico responde, ainda, por improbidade administrativa em outra ação proposta pelo MPF e MP Estadual. É acusado de cobrar em duplicidade por internações, consultas e avaliações. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF-SC

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 435 vezes




Comentários


Autor e data do comentário: Geraldo - 24/08/2009 09:08

Creio que isto deve ser uma prática comum no interior do Brasil e mesmo nos grandes centros urbanos. Uma sociedade alicerçada na desonestidade dos homens de branco não pode prosperar. Cobrar por procedimentos várias vezes é simples. Dentro do dialeto técnico isto é possivel. Um detalhe: Não devia ser retirada a sua possibilidade de exercer a medicina. Ao invés de medicina privada teríamos a medicina pública. Trabalhar de graça durante até 30 anos para parar de ser ladrão.



O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal