Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

05/08/2009 - Congresso em Foco Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Deputado aponta falsificação de assinatura

Por: Eduardo Militão

Nelson Marquezelli (PTB-S) afirma que fraude “grosseira” foi cometida em requisição para passagens aéreas usadas por família desconhecida. Reclamação será investigada pela Corregedoria da Câmara.

O quarto secretário da Câmara, deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), diz que é falsa uma assinatura atribuída a ele em uma requisição de passagem aérea (RPA) comercializada para terceiros, segundo relatório da comissão de sindicância criada para apurar a venda de créditos parlamentares. A RPA é de R$ 3.500 e serviu para bancar viagens de uma família que o deputado diz desconhecer, como mostrou o Congresso em Foco.

O relatório da comissão diz: “Uma vez que a RPA [...] fora assinada pelo próprio parlamentar, mas gerada em ponto de servidor [...]”. Marquezelli pedirá nesta quarta-feira (5) que a Diretoria Geral investigue o fato. O quarto secretário afirma que a suposta falsificação é grosseira.

O deputado mostrou ao site um documento assinado por ele em abril de 2009 e a RPA, de 2007. As assinaturas têm semelhanças, mas mostram diferenças nas proporções dos traços.

Levantamento

Além disso, Marquezelli sustenta que não assinou nenhuma RPA nos últimos 20 anos. Diz que sempre deixou isso a cargo dos funcionários. Por isso, solicita hoje à Terceira Secretaria um levantamento de todas as requisições supostamente assinadas por ele nos últimos cinco anos.

A comissão de sindicância nada conclui a respeito do deputado, como fez com todos os parlamentares. O grupo de investigação apenas recomendou a abertura de processo administrativo contra a servidora Tassiana Alves de Souza. Segundo o relatório, outro funcionário de Marquezelli, José Aparecido Souza, o Kiko, é um dos auxiliares do parlamentar que tinha mais contato com as companhias aéreas, apesar de não fazer parte da folha de pagamento da Câmara.

Em depoimento à comissão, José Aparecido disse que não emitiu a passagem, que beneficiou uma família de sobrenome Leroy (veja a lista, publicada pelo Congresso em Foco). Tassiana afirmou que seu ponto foi usado por alguém quando deixou o terminal de computador aberto para fazer um serviço externo. Procurados ontem no gabinete de Marquezelli, os dois não retornaram os recados deixados.

O deputado disse que preferiu manter os dois funcionários porque não tem certeza se eles participaram de alguma fraude. “Tem que aprofundar mais, tem que quebrar o sigilo bancário de quem falsificou”, afirmou Marquezelli ao Congresso em Foco. O deputado afirmou que não conversou com os dois funcionários sobre o assunto e que vai esperar as investigações do Ministério Público Federal e da Corregedoria da Câmara.

Sem resposta

Como mostrou o Congresso em Foco, a assinatura do deputado Fernando de Fabinho (DEM-BA) também aparece em uma requisição de passagem aérea. Desde a semana passada, o parlamentar não dá retorno aos recados deixados em seu gabinete. Ontem, aconteceu a mesma coisa.

De acordo com o relatório da comissão de sindicância, as passagens da cota do deputado Nelson Marquezelli beneficiaram a família Leroy com a ajuda do agente de viagens Vagdar Fortunato Ferreira. O deputado afirma que não autorizou nenhuma venda de cota. Marquezelli diz que, como possui R$ 90 mil em créditos acumulados, não haveria razão de comercializar apenas R$ 3.500.

Não reconhecidos

Vagdar disse ao Congresso em Foco que não reconhece ter vendido passagens para Roberto, Luana e Luma Leroy. Eles voaram do Rio de Janeiro para Paris na cota de Marquezelli, conforme revelou este site.

O agente de viagens disse que não conhece os funcionários Tassiana e José Aparecido, mas que conhece “de vista” o deputado, embora não confirme a participação dele em comércio de créditos. “Nunca fiz nenhum negócio com o deputado Marquezelli”, afirmou Vagdar.

O agente preferiu não responder outras perguntas até obter uma cópia integral do relatório da comissão de sindicância.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 375 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal