Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

04/08/2009 - IDG Now! Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Consumidor paulistano teme fraude em compras pela internet

Por: Evelin Ribeiro

Segundo pesquisa da Fecomercio divulgada nesta segunda (3/8), 57% dos internautas da capital receiam problemas em operações comerciais pela web.

Uma pesquisa inédita encomendada pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio) aponta que 57% dos internautas temem fraudes em compras feitas pela internet. Feito com mil pessoas na capital paulista, o estudo foi divulgado na manhã desta segunda-feira (3/8) durante a abertura do Congresso Crimes Eletrônicos e Formas de Proteção, evento realizado na sede da Fecomercio e que se estenderá até amanhã.

A pesquisa também constata que 76% dos entrevistados usam algum tipo de software antivírus. Mesmo assim, 14% se disseram vítimas - ou têm alguém na família que passou pelo problema – de operações fraulentas realizadas pela rede. “O índice de 14% pode parecer pouco, mas a disseminação de fraudes no chamado 'boca a boca' tem impacto muito maior no comércio”, diz o advogado Renato Opice Blum, presidente do Conselho de Tecnologia da Informação da Fecomercio.

Entre as pessoas que enfrentaram problemas nas operações virtuais, 37% sofreram desvio de dinheiro de suas contas bancárias, 24% foram alvo de compras indevidas com uso de cartão de crédito e 19% tiveram seus dados pessoais utilizados de forma não autorizada.

Outro dado apresentado durante o congresso foi o levantamento do Centro de Estudos, Respostas e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (Cert.br), que verificou que, entre janeiro e julho deste ano, já foram detectados 300 mil incidentes virtuais no Brasil - cerca de 75 mil ocorrências a mais que em todo o ano de 2008, quando foram registrados 222.528 crimes digitais.

Desses crimes, 75% foram de fraudes, 16,5% foram de scans (programas que fazem varreduras na rede em busca de vulnerabilidades) e 4,37% foram de envio de vírus.

Responsabilidade do usuário
O vice-presidente do Conselho de Tecnologia da Informação da Fecomercio, Rony Vainzof, lembrou que há cerca de dois anos, um juiz do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul julgou um usuário culpado por ter sido vítima de um crime virtual. "Hoje as empresas têm obrigação de orientar os clientes sobre os riscos dos serviços eletrônicos e as formas de se proteger. Com isso, os juízes estão começando a considerar que o usuário deve ter noções mínimas de segurança", disse o advogado.

Vainzof explicou que, levando em conta critérios como nível de instrução do usuário ou sua idade e, caso ignore propositalmente tais recomendações de segurança, a culpa de tais crimes pode ser atribuída ao usuário. "Ao passo em que temos maior inclusão digital, precisamos, sem dúvida, aumentar a educação e a conscientização das pessoas. As empresas têm suas responsabilidades, mas os usuários devem ser responsáveis", completou.


Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 203 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal