Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

21/07/2009 - O Globo Online / Reuters Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Diretor de grande galeria britânica defende falsificações

Por: Mike Collett-White


LONDRES (Reuters) - O diretor da National Gallery de Londres, que abriga uma das mais importantes coleções de arte do mundo, disse na terça-feira que saudaria mais obras falsificadas.

"Eu bem que gostaria que tivéssemos mais falsificações", disse Nicholas Penny, que também é um respeitado estudioso das artes.

"Vale a pena ter algumas falsificações numa coleção", completou ele a jornalistas na coletiva anual de imprensa concedida pela galeria. "Não tê-las expostas como se fossem a obra original, mas exibindo-as como o que são: falsificações ou imitações".

Entre as mostras anunciadas para 2010 na galeria estão "Exame Minucioso: Falsificações, Erros e Descobertas", que estudará falsificações, cópias e pinturas feitas por alunos dos grandes mestres.

Penny disse que o estudo da origem real de uma pintura, com a ajuda de métodos científicos cada vez mais avançados, é uma parte importante dos estudos de arte e pode ajudar as pessoas a ter uma compreensão melhor da pintura.

"Todas as coleções sérias de moedas incluem falsificações", disse ele, acrescentando: "É claro que só estaríamos interessados em falsificações realmente interessantes."

De acordo com Penny, o enorme acervo do National Gallery provavelmente contém muito poucas falsificações, embora "não seja possível saber ao certo".

Ele disse que muitas pinturas consideradas falsificações começaram como "imitações honestas", em que o artista não tinha a intenção de fazer o trabalho passar pela obra do artista original, mas que então marchands ou outros intermediários podem tê-lo feito para obter lucros.

"A falsidade lhes foi imposta", disse ele.

Penny confessou que admira uma falsificação conhecida que foi destacada na entrevista coletiva, um "Retrato de Grupo" italiano pintado no início do século 20, mas apresentado como obra renascentista.

"É uma falsificação extremamente ambiciosa. Gosto dela", ele revelou.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 239 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal