Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

26/12/2006 - Jornal do Commercio / SEGS Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Sociedade paga o custo da fraude


É preciso desvincular a imagem da fraude da imagem do crime sem vítimas, punir os fraudadores e mudar a visão do público e de legisladores sobre o assunto. O apelo é do diretor de Proteção do Seguro da Federação Nacional das Seguradoras (Fenaseg), Neival Rodrigues Freitas, feita na Associação Paulista dos Técnicos de Seguros (APTS), que transcreve o texto em seu site.

Neival Freitas diz que além de aumentar o custo do seguro e, portanto, dificultar o crescimento do setor, "a fraude também prejudica a sociedade, pois impede o acesso ao seguro de novas camadas sociais, aumenta a criminalidade e reflete na redução de postos de trabalho".

Segundo ele, os seguradores acompanham com atenção a tramitação do projeto de lei, do senador Romero Jucá, que inclui a fraude no rol de crimes para efeito de caracterização da lavagem de dinheiro. Ele lembrou, em sua palestra na APTS, cujo texto sobre o assunto está transcrito no em seu site, que a Fenaseg tem plano integrado para reduzir a fraude em seguros, prevendo uma série de ações institucionais e especificas. Exemplificou citando o Código de Ética do Setor de Seguros, lançado em agosto, e o Disque-Fraude, que dispõe de único número de chamadas (181) nos cinco estados onde funciona por meio de convênio integrado.

"A prevenção contra as fraudes por meio de iniciativas conjuntas entre o mercado e sociedade resultará em benefícios para todos", aposta Neival Rodrigues.

Fraude é assunto abordado também pelo advogado Antonio Carlos Vasconcellos Nóbrega, do escritório Negrini & Associados, em ensaio sobre "As influências do Código de Defesa do Consumidor no Contrato de Seguro", publicado no livro "Em Debate", volume 6, recém-publicado pela Escola Nacional de Seguros (Funenseg).

Para o advogado, o grande problema da fraude é a falta de consciência dos segurados, que ainda não perceberam que o dolo embute um custo social, que encarece as apólices. "A fraude é tolerada pela comunidade e o prejuízo pulverizado entre todos", diz.

Ele assinala que até os seguros sociais são afetados, como o seguro obrigatório de veículos (Dpvat), que tem parte do prêmio destinada ao Governo para atender ao acidentado no trânsito. "Todos estão pagando por isso. O combate à fraude tem que ser cada vez maior", prega Antonio Carlos Nóbrega.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 509 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal