Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

09/07/2009 - EPTV.com Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

MP investiga suposta compra de diplomas por servidores

Cinco concluíram o ensino médio em escola do Rio de Janeiro

O Ministério Público abriu um inquérito para investigar a suspeita de compra de diplomas entre funcionários da prefeitura de Santa Bárbara D´Oeste, na região de Campinas. O documento é exigido para o cargo que ocupam.

Cinco funcionários comissionados, que começaram a trabalhar em 2009, teriam comprado diplomas de conclusão do ensino médio. A suspeita surgiu a partir do nome de Wagner Proque. Documentos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que em outubro de 2008 ele não havia terminado nem o ensino fundamental. Em dezembro, o nome dele e dos quatro funcionários foram publicados em uma relação de alunos do ensino médio no Diário Oficial do Rio de Janeiro. Logo depois, foram contratados. A denúncia partiu de um partido de oposição, o PSDB. “Nós apontamos como incomum, o fato de cinco servidores contratados em cargos de confiança na mesma data 15 dias após terem concluído, juntos, um curso supletivo à distância na cidade do Rio de Janeiro”, disse o vice-presidente do PSDB, Joel Pinto de Oliveira.Entre os cinco está o secretário de Esportes, Celso Luiz Tonin.

“A questão (processo) se refere à idoneidade do curso supletivo que foi oferecido”, disse o promotor de Justiça Hélio Jorge de Carvalho, que afirmou ainda que está investigando como os diplomas foram aceitos pela municipalidade, em caso de fraude.

A EPTV procurou os cinco servidores, mas nenhum quis falar sobre o caso. A administração informou que no momento da contratação, todos tinham documentos em ordem, mas prometeu providências se comprovado alguma irregularidade.

A Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro informou que já investiga outras irregularidades contra a escola particular que emitiu os diplomas. Na internet não existe um site específico da escola, apenas anúncios com diferentes telefones para contato e prazos para conclusão dos cursos .

O diretor da escola EPEC, Eduardo Santos, nega a venda de diplomas. Diz que os funcionários da prefeitura concluíram o curso no ano passado e que o período de duração é de seis meses, mas não soube informar quando eles foram matriculados.

Sobre a investigação da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro, o diretor também nega qualquer irregularidade e diz que a escola está se adequando para obter uma nova autorização e daí oferecer, por mais cinco anos, o curso de supletivo.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 353 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal