Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

21/12/2006 - Diário de Natal Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Cariocas presos por estelionato


Dois homens do Rio de Janeiro que estavam em Natal fazendo compras utilizando documentos falsos, foram presos pela polícia e autuados em flagrante na noite de terça-feira, após realizarem a última aquisição, de três relógios, numa loja de um dos shoppings de Natal. Os três relógios custavam, juntos, R$ 1.150. Se não tivessem sido presos, eles teriam também dado um prejuízo de R$ 5.200 a uma loja de colchões onde tinham acabado de passar.

Um dos acusados se passava por Avelino da Silva Trindade, quando na verdade se chama Rodrigo de Oliveira Rodrigues, de 23 anos, desempregado de Septiba (RJ). O colega dele, André Moura Rodrigues, 36 anos, que se identificou na polícia como empresário da vila Valquíria (RJ), foi preso com um automóvel recheado com dezenas de objetos e peças de roupas compradas no comércio local, computador, taças de vinho, jogo de toalhas, 20 calções, dois vestidos, caneta, óculos, 28 camisas, biquinis, entre outras coisas.

Segundo a polícia, enquanto Rodrigo de Oliveira se dizia Avelino e visitava as lojas da cidade, passando o cartão falso, André guardava as peças compradas no carro e o aguardava parado numa rua na Cidade Jardim. A prisão da dupla aconteceu depois que uma vendedora de uma loja de jóias desconfiou do cartão passado por Rodrigo. Através da administradora ela soube que se tratava de um cartão falso. Os seguranças do shopping foram chamados para dominar o rapaz, que foi entregue à Polícia Militar.

Os dois prisioneiros foram levados para a Delegacia de Plantão da Zona Sul e autuados em flagrante, ficando à disposição da Justiça de Natal para responder processo. Na delegacia eles se negaram a prestar qualquer informação ao delegado de polícia que os autuou. O delegado fez sete perguntas a cada um deles, mas os dois não responderam. Pela lei, nenhuma pessoa é obrigada a falar no inquérito policial, podendo guardar as explicações para serem pretadas somente a um juiz. Um advogado de Natal já acompanhava os dois acusados quando eles chegaram presos à delegacia na terça-feira à noite.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 468 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal