Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

30/06/2009 - O Estado de São Paulo / Ag. Estado Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Abimaq denuncia fraude em origem de exportação

Por: Renata Veríssimo


BRASÍLIA - Mais uma vez os produtos chineses são o centro da reclamação dos empresários e o alvo da fiscalização do governo. Por trás da declaração de ontem do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, de que empresas brasileiras estão comprando máquinas no exterior e trocando a placa com a descrição da origem do produto, está uma denúncia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) de que muitas empresas estão comprando bens de capital da China e revendendo como produto nacional.

O presidente da Abimaq, Luiz Aubert Neto, levou esta informação ao governo há duas semanas, quando ocorreu a reunião do Grupo de Acompanhamento da Crise (GAC), criado para discutir com o setor privado os impactos da crise na economia brasileira. Neto disse hoje à Agência Estado que muitos equipamentos comprados pela Petrobras, por exemplo, não são de origem nacional, embora a estatal não tenha conhecimento disso.

"A Petrobras acha que paga para uma empresa no Brasil, mas está comprando lá fora", afirmou. Ele denunciou também que os estaleiros estão sendo construídos com peças importadas. "Viramos funilaria de navio. Onde agrega valor, não fazemos nada", disse.

Miguel Jorge disse ontem ser inaceitável este procedimento e afirmou que Receita e Ministério do Desenvolvimento irão agir duramente contra estas empresas. O setor pediu também que fosse colocada uma exigência mínima de uso de peças e componentes nacionais, mas uma fonte do governo explicou que este controle é muito difícil.

Segundo Neto, o processo de substituição de produtos nacionais por importados da China está cada vez mais forte. "O câmbio é mortal para nós", afirmou. "Está havendo um processo de desindustrialização no Brasil". Ele lembra que o Brasil já foi o quinto maior produtor de máquinas do mundo na década de 80 e, hoje, caiu para a 15ª posição. Ele contou que, como as empresas nacionais não conseguem ganhar competitividade, viram representantes de outro fornecedor no exterior para não perderem os clientes no Brasil.

Neto afirma que as exportações de bens de capital nos cinco primeiros meses do ano, em relação ao mesmo período de 2008, caíram quase 40%, e o faturamento do setor teve queda de 25%. Por outro lado, as importações continuam no mesmo nível do ano passado, considerado um ano forte economicamente.

O presidente da Abimaq espera uma recuperação da competitividade do setor com as medidas anunciadas ontem pelo governo, de redução de juros dos financiamentos e da carga tributária. "Só tem um jeito para conter a substituição de máquinas nacionais por importadas: é dar competitividade para as empresas aqui. Falta uma política industrial de desenvolvimento", defendeu Neto.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 265 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal