Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

14/12/2006 - Página 20 Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

PF alerta população sobre golpe do telefone

Por: Renata Brasileiro


De manhã bem cedo a primeira ligação. Do outro lado da linha, alguém quer colher informações e avisa que uma pessoa da família sofreu um acidente. Com isso, consegue-se no mínimo o nome dos parentes, local onde moram e quantas pessoas estão em casa. Para coagir as vítimas do golpe do telefone, o sujeito do outro lado da linha volta a informar que não se trata de um acidente e sim de um seqüestro. Começa então a sessão extorsão, abusando do emocional dos familiares, que na maior parte dos casos depositam a quantia que o bandido deseja.

Casos como esses têm se tornado cada vez mais freqüente em Rio Branco. Mas as quadrilhas especializadas no famoso “golpe do telefone” são de São Paulo, Fortaleza, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, que acabam passando medo às pessoas que eles só conhecem mesmo por voz. O golpe já foi dado em autoridades, empresários e até em pessoas com rendas mais baixas. Alguns foram consumados e outros não.

Segundo o assessor de comunicação da Polícia Federal, é necessária muita calma no momento por parte de quem recebe o trote. Ele orienta às pessoas tentem ouvir o máximo possível do que o chantagista tem a falar para ter a certeza de que se trata de um blefe. No mesmo instante, deve-se tentar localizar a pessoa que supostamente está seqüestrada.

“Acontece de a família encontrar o suposto seqüestrado antes mesmo de fazer algum depósito para o resgate ou de conseguir localiza-lo em segurança em algum lugar. Mas também acontece de o parente não ser encontrado. Nesse, é preciso procurar a polícia com urgência e registrar uma queixa”, destacou.

Na manhã de ontem, a redação do jornal Página 20 foi vítima do trote. Uma pessoa que se identificava como sargento do Corpo de Bombeiros ligou quatro vezes informando, primeiramente, que um dos funcionários havia sofrido um acidente. Em seguida, disse que a vítima estava de refém por ter reagido a um assalto e que só seria solta se a família pagasse uma quantia, que não chegou a ser negociada. O funcionário do jornal estava em casa, dormindo, e a sua mulher informou à redação que todos da família estavam bem.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 444 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal