Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

19/06/2009 - Gazeta do Sul Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Guerra declarada contra os crimes cibernéticos

Por: Jansle Appel Junior

Qualificação > Policiais treinam para investigar crimes da internet

Navegar pela internet pode representar um perigo oculto para grande parte da população. Tudo por conta do significativo aumento de crimes praticados pela rede. Escondidos atrás de um computador e de uma legislação que ainda não contempla este tipo de crime, pedófilos, hackers e pessoas mal intencionadas esperam um pequeno descuido dos internautas para praticar desde roubo de senhas a aliciamento de menores.

Para tentar diminuir e investigar essas ocorrências no Rio Grande do Sul, a Polícia Civil está treinando agentes e delegados, em parceria com a Polícia Federal e a Secretaria Nacional de Segurança Pública. Até o final de 2009, a meta é treinar 580 policiais. Durante esta semana, a qualificação se concentrou em Santa Cruz do Sul, com agentes de delegacias de toda a região.

Promovido desde o ano passado, o curso terá 19 edições com pelo menos um policial capacitado em cada delegacia onde haja investigação de crimes na web. São apresentados estudos sobre os tipos de crimes praticados na internet e também exercícios de análise de sistemas e aplicativos eletrônicos disponibilizados em redes locais e internacionais. Tudo para que os procedimentos de investigação dos crimes praticados em meio eletrônico sejam corretos.

O objetivo, de acordo com o coordenador do curso, delegado Emerson Wendt, é capacitar os agentes no combate ao crime cibernético, oportunizando o preparo e a instalação de redes de segurança e investigação e perícia em computadores e meios eletrônicos. “Damos uma ideia da forma de averiguar delitos praticados pela internet, que são bastante diferentes da normal”, diz o delegado, destacando que deve haver, por parte dos policiais civis, um conhecimento diferenciado para entender a cultura de navegação.

REGISTROS

Sem dados estatísticos devido a uma brecha no Código Penal Brasileiro, os crimes praticados pela rede mundial podem começar a ser tipificados a partir da aprovação de projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional há seis anos.

Em 2009, foram registrados pelo menos cinco casos de pedofilia pela internet no Rio Grande do Sul. Com identidades falsas, os pedófilos frequentam salas de bate-papo – os populares chats – e programas de conversação simultânea, como o Messenger (MSN). “Os pais não podem deixar os computadores apenas nas mãos dos filhos e devem controlar o acesso através de programas que existem na internet”, alerta o delegado. Até mesmo quem receber por e-mail e armazenar fotos sexuais de crianças pode estar cometendo delito e deve denunciar a ocorrência imediatamente para os órgãos policiais.

Entre os crimes mais praticados pela web no Estado, aponta Wendt, estão os relacionados à rede de relacionamento Orkut, como roubo de dados, criação de perfis falsos e comunidades difamatórias ou com injúrias relativas à incitação de crimes, racismo e homofobia. A recomendação da Polícia Civil é não deixar dados da vida pessoal no Orkut, tais como telefone e endereço, e não ingressar em comunidades que possam eventualmente identificar informações sobre a identidade do internauta. Também alerta para a quantidade de fotos no álbum, que podem posteriormente ser utilizadas em montagens.

O delegado regional da Polícia Civil, Julci Severo, ressalta a importância da capacitação para que os agentes da região possam fazer frente a essa nova realidade. “A internet hoje é uma ferramenta comum para o cidadão brasileiro e como tal serve para muita coisa boa, mas também os delinquentes se aproveitam dela”, lembra. “E nós temos que estar preparados para a investigação eficiente, a fim de que responsabilizemos os autores dos crimes praticados nessa área.”

Recomendações

O delegado Wendt lembra que alguns cuidados são essenciais para navegar na internet de forma segura, como não clicar em links de origem suspeita em e-mails e sites, e em links que remetam para outros sites. De preferência, digitar a página da web no navegador e, antes de comprar qualquer produto, verificar se o site é confiável. O cadeado que aparece abaixo do navegador – Internet Explorer e Mozilla, por exemplo – é um certificado de segurança da página. Na dúvida, não inserir dados de conta bancária e senha e manter atualizado o sistema operacional não-pirata. Ele também orienta que seja instalado no computador um firewall, regulador do tráfego de dados que impede o acesso nocivo ou não autorizado de um computador para outro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 298 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal