Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

15/06/2009 - O Globo Online / Agência Brasil Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Justiça aceita denúncia do MPF contra mulher de Paulinho


SÃO PAULO - A Justiça Federal em São Paulo aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) e abriu uma ação penal contra Elza de Fátima Costa Pereira, mulher do deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical. O processo foi aberto na última sexta-feira pela juíza federal Silvia Maria Rocha, da 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo. A defesa de Elza Pereira terá o prazo de dez dias para responder à acusação.

No dia 2 de junho, o MPF havia denunciado Elza por lavagem de dinheiro, em um aditamento (complemento) de denúncia da Operação Santa Tereza, da Polícia Federal. Para o Ministério Público, Elza Pereira permitiu a utilização da conta-corrente da Meu Guri, ONG que ela preside, para ocultar uma parcela dos valores desviados de contratos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) firmados com a prefeitura de Praia Grande e com as Lojas Marisa. Paulinho foi absolvido pelo Conselho de Ética da Câmara noo processo por quebra de decoro parlamentar.

A Meu Guri é suspeita de ter recebido um cheque de R$ 37,5 mil de João Pedro de Moura, de recursos que a Polícia Federal acredita terem sido desviados do BNDES. Moura é um dos 13 indiciados pela Justiça Federal na Operação Santa Tereza.

Procurado pela Agência Brasil, Antônio Rosella, advogado de Elza Pereira, disse não ter conhecimento sobre a denúncia e que a juíza pode apenas ter "determinado o processamento do aditamento", já que não existiria denúncia sem a defesa prévia.

A Operação Santa Tereza investigou uma organização criminosa que fazia uso de pessoas com influência política no BNDES para conseguir a liberação de empréstimos para as prefeituras e empresas e que se aproveitavam de projetos falsos elaborados por uma empresa de consultoria. O dinheiro recebido do BNDES, segundo o MPF, era usado em uma casa de prostituição e de tráfico de mulheres, em São Paulo, chamada de W.E., quando então era lavado (legalizado).

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 236 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2017 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal