Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

05/06/2009 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Procuradoria tira Polícia do Senado da investigação de fraude em empréstimos consignados Publicidade

Por: Márcio Falcão e Gabriela Guerreiro


As investigações do suposto esquema de fraudes em contratos de empréstimos consignados do Senado com instituições financeiras vão ser realizadas apenas pela Polícia Federal. O Ministério Público Federal rejeitou o pedido da Polícia do Senado para prorrogar o inquérito que analisava as denúncias contra o ex-diretor de Recursos Humanos da Casa João Carlos Zoghbi.

A justificativa é que as denúncias "ultrapassam o âmbito do Senado Federal". A investigação será administrada pelo delegado Gustavo Buque, que já presidia um inquérito sobre esse caso -que inclui a denúncia de que o ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia teria chefiado um suposto esquema de desvio de recursos públicos em contratos terceirizados do Senado.

O delegado terá que decidir se mantém ou não os indiciamentos da Polícia do Senado. No inquérito aberto pela Polícia Legislativa, o ex-diretor de Recursos Humanos foi indiciado por formação de quadrilha e corrupção passiva, assim como o seu filho, Marcelo Zoghbi, e os empresários Ricardo Nishimura e Bianka Machado e Dias. Eles são donos da empresa Contact, que intermediavam as operações de crédito para o Senado.

Segundo agentes da Polícia Federal que participam das investigações, parte do material recolhido na Operação Mão-de-Obra, que apurou fraudes em licitações do Senado, também será utilizada. Realizada em julho de 2006, a operação desmontou uma quadrilha especializada em fraudar licitações para beneficiar empresas que atuavam no serviço de limpeza e informática de vários órgãos do governo federal

Reportagem publicada no mês passado pela Folha Online mostrou que o suposto esquema de fraudes pode ter atingido 1.200 servidores da Casa. Um levantamento da Secretaria de Recursos Humanos identificou que esses funcionários tiveram empréstimos autorizados acima da margem permitida -que era de até 30% do salário -na gestão de Zoghbi.

Ao ignorar os limites, o Senado aumentou em R$ 1,1 milhão por mês o repasse para os bancos -sendo que hoje são desembolsados R$ 12,5 milhões ao mês dos vencimentos de 4.100 servidores que fizeram este tipo de empréstimo.

Investigações

O inquérito aberto pela Polícia Legislativa investiga um suposto esquema de desvio de recursos públicos que envolveria o ex-diretor e empresas de fachada. A ex-babá de Zoghbi, Maria Izabel, é proprietária de três empresas que intermediavam as operações de crédito para o Senado. A parceria da Contact, da DMZ Consultoria Empresarial, da DMZ Corretora de Seguros com o Senado teria sido responsável pelo faturamento de R$ 3 milhões registrado pelas empresas.

Maria Izabel afirmou ter assinado documentos para Marcelo Zoghbi em confiança, mas disse que desconhecia o teor dos textos.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 286 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal