Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

02/12/2006 - Gazeta de Ribeirão Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Golpe da caridade

Por: Hélia Araújo


A Abrapec (Associação Brasileira de Assistência a Pessoas com Câncer), entidade acusada de usar doações para a compra de imóveis e carros de luxo, movimentava todos os meses cerca de R$ 350 mil em arrecadações na unidade de Ribeirão Preto, informou Marcus Vinicius Michelotto, delegado da DEDC (Delegacia de Estelionato e Desvio de Cargas) de Curitiba (PR).

A ONG (Organização Não Governamental) é umas das 32 entidades espalhadas por todo Brasil suspeitas de desviar doações feitas para ajudar pacientes com câncer, e a quinta que mais arrecadava dinheiro. De acordo com Michelotto, a Abrapec e a GAPC (Grupo de Apoio às Pessoas com Câncer) arrecadavam aproximadamente R$ 5 milhões por mês em todas as sedes.

Deste total apenas 10% eram revertidos em remédios e cestas básicas para pacientes com câncer. Outros 20% seriam utilizados para pagamento de funcionários e manutenção das unidades. Os 70% restantes seriam distribuídos entre os líderes da suposta quadrilha.

A gerente operacional da Abrapec de Ribeirão Preto e Franca, Vera Lúcia Atanasio, afirmou que não tem conhecimento deste tipo de desvio de dinheiro nas unidades de sua responsabilidade. "Se houve realmente esse tipo de crime acredito que deva ser investigado e os verdadeiros culpados devem ser punidos. O problema é que muitas pessoas inocentes poderão pagar com suas próprias vidas por tudo isso", lamentou Vera.

Segundo a gerente, todo dinheiro que a entidade arrecada é repassado aos usuários do serviço e em despesas operacionais, como o pagamento de funcionários e aluguel do imóvel. Entretanto Michelotto afirmou que todas as entidades estão envolvidas no esquema de desvio de dinheiro.

A entidade de Ribeirão conta com 50 funcionários registrados e 35 voluntários, atende atualmente 480 doentes e tem cerca de 15 mil doadores cadastrados. "Todos os nossos usuários são testemunhas de que o dinheiro é repassado adequadamente. Nunca faltou nenhum remédio, cesta básica ou qualquer outro tipo de produto que eles precisam", afirma Ivana Cristina Moretti, assistente social da Abrapec.

De acordo com Vera, dos R$ 346 mil arrecadados no mês de outubro, R$ 296 mil foram gastos com os usuários. "Existem alguns remédios que chegam a custar mais de R$ 1 mil e os usuários precisam muito destes medicamentos", justifica.

Mesmo tendo sofrido uma queda de cerca de 98% das arrecadações, a entidade continua trabalhando. "Enquanto a população continuar ajudando com as doações nós continuaremos trabalhando. Precisamos ajudar essas pessoas que estão doentes".

Segundo o delegado Benedito Antonio Valencise, da Delegacia Seccional de Ribeirão Preto, ainda não há indícios que levem a uma investigação da entidade na cidade. "Ficamos sabendo do caso através do que foi divulgado pela imprensa, mas ainda estamos verificando se existem elementos que possam gerar uma investigação", informou Valencise.

Já Michelotto afirmou que o Ministério Público deve mover nos próximos dias uma ação civil pública o que deve fazer com que todas as entidades envolvidas no suposto crime sejam fechadas.

Professora doou R$ 10 por três meses

A professora T.R.S., 28, informou que contribuiu com as doações por três meses. "Ligaram em minha casa dizendo que era da Abrapec, pedindo doações para ajudar um idoso que estaria em estado avançado do câncer. A pessoa afirmou que bastaria doar R$ 10 por mês para 'adotar' um doente. Como o valor era pequeno resolvi contribuir".

No entanto, depois de tomar conhecimento pela mídia que o dinheiro estava sendo desviado, a professora afirmou que não vai mais doar o dinheiro. "Não vou mais doar. A credibilidade da ONG foi totalmente afetada. Não tem como nós termos certeza de que o dinheiro está sendo usado para aquilo que acreditamos".

Já Rosimeire Alves, 37, usuária dos benefícios da Abrapec, a entidade não pode fechar. "Tenho câncer de mama e desde que descobri a doença, há quase dois anos, freqüento a Abrapec. Sempre tive todo apoio que precisei, tanto material como psicológico. Nós que dependemos dessa ajuda sabemos o quanto ela é importante e não pode deixar de existir".

Na operação da polícia sobre o caso, no dia 23 de novembro, foram cumpridos 16 mandados de prisão em nove cidades de quatro estados brasileiros: São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. (Gazeta de Ribeirão)

Outras entidades dizem não sentir efeito

Entidades que realizam ações beneficentes na região afirmam que não estão sendo afetadas pelas denúncias de desvio de doações contra a GAPC e a Abrapec. A presidente da Abraccia (Associação Brasileira de Combate ao Câncer Infantil e Adulto), Inês Sonia Garcia Bestetti, disse estar muito triste pelo fato de pessoas doentes estarem sendo usadas.

Ela informou também que a população pode ficar tranqüila para continuar contribuindo com a entidade, pois a Abraccia é uma entidade séria e presta contas divulgando o balanço de cada mês.

O presidente da Fundação SOBECCan, Aurélio Julião de Castro Monteiro, disse que as doações não foram afetadas, já que a Fundação tem um controle externo do Ministério Público nas prestação de suas contas e não faz captação de doações através de telemarketing. "Chegamos a divulgar em nosso informativo que pessoas estariam ligando na casa da população, usando o nome da SOBECCan, para pedir doações. Não fazemos esse tipo de arrecadação. Já temos cerca de 1,3 mil doadores fixos e captamos outros recursos através de bazares, bingos e jantares beneficentes", disse Monteiro.

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 7316 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal