Monitor das Fraudes - O primeiro site lusófono sobre combate a fraudes, lavagem de dinheiro e corrupção
Monitor das Fraudes

>> Visite o resto do site e leia nossas matérias <<

CLIPPING DE NOTÍCIAS


Acompanhe nosso Twitter

26/04/2009 - Folha de São Paulo Escrever Comentário Enviar Notícia por e-mail Feed RSS

Polícia tem 201 queixas de falso emprego em 23 dias

Por: Raquel Bocato


Desde o começo do mês, quando a Polícia Civil de São Paulo prendeu 19 pessoas acusadas de estelionato -prometiam vagas de emprego inexistentes-, até as 8h da última quinta-feira, 201 trabalhadores fizeram boletim de ocorrência para denunciar a farsa. O levantamento foi feito pelo 3º Distrito Policial de São Paulo -para onde os casos estão sendo direcionados- a pedido da Folha.

Os números, no entanto, não param de crescer. Somente na manhã da última quinta-feira, três outras vítimas aguardavam para registrar queixa.

Na fila, pessoas que, ludibriadas por uma falsa promessa de emprego, vendiam cartões de facilidade -que previam desconto em clínicas- como condição para serem efetivadas.

No desespero para garantir o posto, muitos contavam com a colaboração de parentes para completar o mínimo de vendas -com valores de até R$ 850.

Por lei, todos deveriam ser contratados. Mas, a cada venda, passavam por teste. Reprovados, recomeçavam a vender.

Fora das estatísticas

Existe ainda uma outra forma de enganar trabalhadores e que não está refletida nesses números. Oferecendo salários competitivos, supostas agências de emprego fazem uma entrevista e asseguram a efetivação. Para finalizar o processo, no entanto, deve ser feita uma avaliação psicológica ou haver a participação em um curso -que pode custar até R$ 10 mil.

A vaga, porém, não existe. Segundo a promotora de Justiça Adriana Borghi, do Ministério Público Estadual, há casos em que a agência usa o nome de uma grande empresa para atrair o profissional, mas nem a vaga nem mesmo a função existem na companhia.

Desconfiado após cobrarem dele R$ 300 para participar de uma entrevista, o operador de produção Eduardo Ferreira dos Santos, 39, assinou o contrato, mas pediu para fazer o depósito no dia útil seguinte.

Contatou a suposta contratante. "Eles negaram que tivessem contratado aquela empresa para fazer a seleção e até que houvesse vagas abertas."

Uma coincidência, porém, impediu a especialista em petróleo e gás Regina Coeli Soares, 49, de ter a mesma sorte. Como havia entregado currículo à empresa em que era oferecida a vaga meses antes, concordou em pagar R$ 600 por um curso em janeiro. "Liguei várias vezes, mas desligaram na minha cara."

Página principal do Clipping   Escreva um Comentário   Enviar Notícia por e-mail a um Amigo
Notícia lida 263 vezes




Comentários


Nenhum comentário até o momento

Seja o primeiro a escrever um Comentário


O artigo aqui reproduzido é de exclusiva responsabilidade do relativo autor e/ou do órgão de imprensa que o publicou (indicados na topo da página) e que detém todos os direitos. Os comentários publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. O site "Monitor das Fraudes" e seus administradores, autores e demais colaboradores, não avalizam as informações contidas neste artigo e/ou nos comentários publicados, nem se responsabilizam por elas.


Patrocínios




NSC / LSI
Copyright © 1999-2016 - Todos os direitos reservados. Eventos | Humor | Mapa do Site | Contatos | Aviso Legal | Principal